Sou Emanuella Maria (Manu), uma romântica inconsolável que adora coisas vintage e viajar. Há 7 anos moro na capital americana, Washington DC e neste espaço divido um pouco da vida no estrangeiro e o que me inspira no dia-a-dia. Falo das coisas que faço, do que gosto e o que me faz feliz.

Buscar no blog












04.11.2013

“Como seres humanos a nossa grandeza reside não tanto em ser capazes de refazer o mundo… mas em sermos capazes de nos refazermos a nós mesmos.”  ~ Gandhi

Quando eu penso no ano de 2002 me bate logo uma estranha sensação. A minha vida não estava legal, eu não estava feliz. Tinha terminado o curso de turismo que eu não gostava, trabalhava como agente de viagens por consequência, em depressão com o final de um longo relacionamento, sem muitos interesses e perspectivas. Foi um momento muito difícil na minha vida, eu me sentia miserável e me perguntava o que eu tinha feito para tudo está caminhando tão errado na minha vida.

Naquele momento eu estava deixando a vida me levar, e não tinha a menor idéia de como eu poderia endireitar o navio, por assim dizer.

Agora, 10 anos mais tarde, vivo um quadro completamente diferente. Eu trabalho com o que eu amo. Tenho namorado maravilhoso que me traz café da manhã na cama no final de semana.  Tenho tempo livre para ter alguns hobbies que eu gosto como escrever aqui no blog, aula de pintura, yoga. Tenho um teto sobre minha cabeça que sou grata, comida para comer, saúde, e o mais importante, eu estou feliz.

Eu não quero deixá-los com a impressão de que tudo mudou completamente do dia para noite. Isso não aconteceu. Minha vida não é um conto de fadas. Na verdade, o que realmente me ajudou e mudou tudo para mim foi que eu mudei a minha atitude.

Para lidar com o final do meu relacionamento, eu tive que aprender a aceitar que nem tudo dura para sempre e a me amar acima de qualquer coisa. Lentamente fui me curado, até que um dia eu percebi que eu estava aberta a amar de novo.

Resolvi não me acomodar e corri atrás daquilo que realmente queria e entrei novamente para a Universidade de Comunicação Social. Trabalhava o dia todo na agência de turismo, a noite ia para as aulas e no final de semana fazia estágio numa emissora de televisão. Foi assim, essa rotina louca por quase quatro anos, mas em vez de reclamar e achar que era demais. Eu aceitei a situação como um momento de mudança, e segui em frente, porque no fundo eu sabia que era isso que eu queria.

Parei de reclamar e achar que tudo ao meu redor estava errado. Na verdade, eu que estava errada. Aprendi a aceitar, a perdoar e a buscar. Vi que minhas inquietações tinha uma resposta, mas eu precisava buscá-las.

Não estava feliz com minha cidade natal, queria viver outras experiências, então me preparei e parti. Não foi fácil, enfrentei vários obstáculos e barreiras. Primeiro fui para a Alemanha, depois os Estados Unidos, mas deu certo e aqui estou eu.

O que causou essa mudança? Eu li um livro chamado Em busca de Sentido de Victor Frankl.

Frankl foi um neurologista e psiquiatra que foi preso em um campo de concentração nazista durante a Segunda Guerra Mundial. Ele foi forçado a trabalhar como um trabalhador escravo e ver muitos de seus colegas morrendo em mortes lentas e miseráveis. Ele foi separado de sua própria esposa, mãe e pai, e perdeu todos eles antes que a guerra terminasse. Mas o que Frankl aprendeu com o seu tempo no campo de concentração? Foi o seguinte:

“Não procurem o sucesso. Quanto mais o procurarem e o transformarem num alvo, mais vocês vão errar. Porque o sucesso, como a felicidade, não pode ser perseguido; ele deve acontecer, e só tem lugar como efeito colateral de uma dedicação pessoal a uma causa maior que a pessoa, ou como subproduto da rendição pessoal a outro ser.”

“Quero que vocês escutem o que sua consciência diz que devem fazer e coloquem-no em prática da melhor maneira possível. E então voces verão que a longo prazo – estou dizendo a longo prazo! – o sucesso vai perseguí-los, precisamente porque voces esqueceram de pensar nele.”

Finalmente: “Nós que vivemos nos campos de concentração podemos lembrar de homens que andavam pelos alojamentos confortando a outros, dando o seu último pedaço de pão. Eles devem ter sido poucos em número, mas ofereceram prova suficiente que tudo pode ser tirado do homem, menos uma coisa: a última das liberdades humanas – escolher sua atitude em qualquer circunstância, escolher o próprio caminho.”

Quando li essas palavras, algo clicou dentro de mim. Você escolhe a sua vida, o seu destino. Nada é definitivo. Talvez a sua realidade não é do jeito que você imaginou hoje, mas isso não significa que não possa ser mudada. Eu intuitivamente sabia que eu precisava aprender a me dar um ajuste de atitude para mudar minha vida.

Não sou especial ou sortuda, e acredito que qualquer pessoa pode conseguir alcançar seus sonhos. Trilhei vários caminhos até chegar aqui e ter a vida que tenho hoje. Foram etapas que fui ultrapassando, planos que foram feitos e as coisas foram acontecendo.

Desde que comecei o blog, tenho recebido emails diariamente de pessoas que também estão aprendendo a mudar de atitude e a trilhar novos caminhos. Pessoas que como eu e você estão buscando novos sonhos.

“(…) Você fala de mudança de vida e eu resolvi mudar a minha. Tenho 47 anos, sou solteira, sem filhos, representante comercial e vendedora por essencia, mas insatisfeita com a mesmice resolvi mudar de carreira e voltei a estudar. Estou no 4º período de Turismo e penso seriamente em conhecer o mundo, o meu país, trabalhar com turismo e, quem sabe, morar fora. Só queria te dizer que seu vídeo me deu mais força para realizar isso, seja nos EUA ou em qualquer outro lugar. (…)” S.R.C.

E esse outro email que me emocionou muito:

“ Tem algum tempo que eu te enviei um e-mail muito triste. Estava assim mesmo, muito, muito triste. E sozinha. Insatisfeita comigo mesma, desesperada com os desafios da vida. Mas as coisas mudaram…

Antes de falar de mudanças, vamos ao meu diagnostico.

Não tinha grana pra fazer análise, ou qualquer tratamento com um profissional. Então, o que eu fiz foi ler. Li muito. Li romances, li matérias de revistas, li textos e mais textos. E li muito o seu blog quando dava. Não tenho como entrar na internet todos os dias, então a grana que eu tinha sobrando pra comprar uma coco cola, eu ia em lan house e imprimia seus textos novos e investia no meu tratamento. Investi no meu potencial me respeitando e sendo minha amiga.

Entendi que os meus problemas não eram por falta de maturidade, não sou tão infantil assim. Eu estava triste, quando a gente ta triste não adianta teimar, as coisas se acumulam, não andam…

Eu percebi os meus defeitos: minha impaciência, meu medo, minha covardia, meu interesse, minhas desistências… pensei cada um deles como um machucado que precisava de atenção, e precisava de cuidados.

Fui um por vez.

E tem mais, não crio mais justificativa pra nada. Não sou triste por isso, ou feliz por aquilo… sou o que sou porque preciso ser/ ou não agüentei não ser.

Não justifiquei as coisas ruins. As respeitei, e acertei minhas contas com elas.

Minha dificuldade com grana também foi um acordar. Sempre fui muito fã do filme, clube da luta, e da mensagem. E hoje eu vivo o desapego. Desapego no sentido de parar de querer coisas que não posso comprar E MAIS, coisas que não preciso comprar.

Vi que tenho calças que podem ser modificadas, sapatos que precisam de mais cuidados. um bolsa baratinha que suporta minhas coisas e está sendo muito útil. E o melhor, são coisas bonitas. Coisas que eu gosto. Compartilham da minha personalidade.  (…) Sou inteligente. tenho uma falsa modéstia que me limita em tudo, e resolvi deixar isso de lado. Eu estou dando detalhes porque amo detalhes. Os detalhes são apaixonantes. A vida é feita de detalhes apaixonantes. E eu preciso me lembrar desses detalhes legais pra ter coisas boas pra me lembrar (…) “  V.N.

O email dela é enorme e lindo, fala das conquistas e todas as coisas boas que aconteceram para ela esse ano, quando ela se deu a chance de mudar. Super inspirador!

Eu acho que a melhor maneira de fazer algo dar certo na sua vida é definir um objetivo e seguir com ele. Faça metas de um mês, fazendo o seu melhor para viver bem por 30 dias.

Lembre-se que todos nós passamos por situações difíceis na vida. Se você está em um momento difícil agora, se aproxime de você mesma. Se entenda, se conheça e busque seu crescimento. Isto pode não mudar imediatamente sua situação, mas você provavelmente vai mudar sua atitude lentamente e dessa forma, a sua vida mudará.


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

24 Comentários |