Sou cacheada e daí?

o dilema dos cabelos cacheados no brasilEsse post é mais um desabafo pessoal e tem haver com aceitação, formas de perceber a beleza e o preconceito que criamos em torno de cabelos.

Conversando recentemente com uma amiga, entramos numa discussão sobre preconceito com cabelos e auto aceitação e isso me fez lembrar um episodio significativo na minha vida.

Quando ainda morava no Brasil, trabalhei numa grande empresa do setor privado. Era uma companhia sólida e reconhecida, com um excelente plano de carreira. Além disso, foi um dos trabalhos mais bem pagos que tive no Brasil. Mas como nem tudo é um mar de rosas, eu tive uma chefe que pegava no meu pé e foi um dos motivos que me fez pedir para sair da empresa.  A empresa tinha um dress code, Business Professional e mesmo morando no calor do Ceará. Todos os homens tinham que usar terno e gravata e as mulheres também tinham que estarem impecáveis de terninho. Até ai tudo bem pois era regra da empresa, mas chegou a um ponto em que minha chefe começou a encucar com meu cabelo. Diferente das colegas de trabalho que tinham o cabelo liso, meu cabelo era natural encaracolado tipo 3B e isso não tem como disfarçar. Mas teve uma certa vez minha chefe disse que meu cabelo era uma distração e parecia desarrumado com o volume e sugeriu que eu fizesse chapinha pois ia ficar mais “arrumado”.

Cabelo natural é muitas vezes visto como pouco profissional e despenteado que é obviamente ridículo, porque as pessoas não podem mudar a forma que os cabelos crescem e suas raízes de origem.

Hoje quando paro pra pensar, chego mais e mais à conclusão que as desigualdades existem por causa da maneira como classificamos e hierarquizamos as pessoas na sociedade. Claro que a atitude da minha chefe estava errada. Mas eu não a julgo, pois na minha experiência, o cabelo crespo e enrolado é muitas vezes mal visto até mesmo por membros da nossa própria família. E por causa disso, muitas vezes ainda cedo os cabelos das crianças são tratados com químicas e penteados pra disfarçar o volume e a textura natural do cabelo. As crianças crescem sem nenhuma ideia do que fazer com seu próprio cabelo, pois infelizmente, elas não recebem muita ajuda dos recursos externos.

Viver em uma sociedade em que o cabelo liso é normal afeta a confiança das crianças e como as mulheres cacheados são vistas em geral. Quando uma adolescente encaracolada abre uma revista, quase todos os modelos em anúncios e artigos têm cabelos lisos. Ligue a televisão e você está quase garantida de encontrar meia dúzia de atores com cabelos lisos e vez ou outra perdida tem uma encaracolada fazendo principal. E já rola aquele bafafá, que não deveria existir, pois somos brasileiros e é só sair na rua pra ver quantos cabelos cacheados e crespos tem por aí. Essas revistas (e outros meios de comunicação) são destrutivas tanto para o cabelo como para a autoconfiança de um adolescente com cabelo encaracolado.

O pior é que maioria das mulheres poderosas com cabelos crespos ainda optam por escondê-lo. Na verdade, dentro da lista de senadores servindo atualmente – nenhum das mulheres tem o cabelo crespo ou encaracolado! Quando as crianças não veem as pessoas que se parecem com eles na mídia ou em posições de poder, isso afeta a sua confiança e as fazem sentir menos capazes.

Saí da empresa porque não me sentia aceita e estava cansada de viver por trás de regras absurdas e porque dinheiro nenhum podia pagar a minha essência. Eu podia ter levado a discussão mais adiante e processado a empresa, mas preferi não aumentar a bola de neve, ficar com minha confiança e dizer umas poucas e boas pra essa chefe ridícula que eu tinha. Claro que não baixei o barraco, mas eu falei o que pensava.

FRASE DALAI LAMA

O fato que permanece é que o privilégio do cabelo liso existe sim e a única maneira de combater isso é criar uma campanha de auto aceitação para que nós tenhamos uma discussão verdadeiramente aberta sobre isso. Temos que refinarmos o nosso olhar e abrir a mente para enxergar diferentes belezas nos diversos tipos de cabelo que encontramos por aí. Cabelo cacheado e crespo é lindo. Diz muito mais das nossas origens e da nossa identidade.

Hoje moro fora do Brasil, tenho orgulho do meu cabelo e confesso que sou varias vezes paradas na rua por pessoas que acham meu cabelo lindo, perguntando dicas, quais os produtos que uso, como faço para cuidar. Tenho um namorado que incentiva o  volume no cabelo e uma carreira que me permite usar meus cabelos enrolados do jeito que eu quiser. E hoje posso dizer com toda a minha experiência o quanto é ridículo aliar o modo com que uso meus cabelos com a minha competência profissional. Mas quantas pessoas não tem essa oportunidade? Quantos chefes usam o cabelo como uma desculpa para “branquiar” seus funcionários? Hoje dia sabemos que não é mais permitido selecionar funcionários pela aparência, mas o que isso quer dizer no final? Será que estamos atentos a malícia escondida por um simples conceito de beleza?

Mas infelizmente este problema do cabelo é muito maior do que alguns chefes racistas. Pois isso diz muito mais do Brasil, da nossa sociedade e de como somos influenciados.

E vocês o que pensam sobre esse assunto?

Deixe um comentário!

10 comentários

  1. Ana Flávia

    Nossa eu só tenho a agradecer, mesmo achando meu cabelo não é tao bonito rsrs meus familiares e amigos sempre dizem para usá-lo solto, que fica bonito, mas faz pouco tempo que estou usando meu cabelo cacheado, sempre usei química, entao meio que estou fazendo uma preparação psicológica para aceitar esse novo eu. Tá aí uma coisa que eu tenho que agradecer ao meu ex namorado que sempre me incentivou mesmo eu não me aceitando. bjin Manu

    Responder
  2. Marina Bonfim

    É incrivel como ainda existe pessoas que pensam assim. Acham que todo mundo tem que usar cabelo liso, que só o cabelo liso é bonito. Eu ti entendo, porque eu tenho 16 anos e na minha idade, e nos lugares que frequento quase não tem meninas com o mesmo tipo de cabelo que eu. Todas tem o cabelo liso e algumas mesmo falam '' porque vc não alisa o seu cabelo?'' e isso é muito ruim. Me sinto completamente deslocada, até mesmo algumas pessoas da minha familia não gostam do meu cabelo e às vezes isso me afeta muiiiito. E eu às vezes não uso ele solta, por ficar pensando no qui as pessoas vão falar, e isso mim deixa péssimo, porque eu deixo de ser eu. Eu já pensei várias vezes em alisá-lo, mas eu penso comigo mesma, que eu não posso mim deixar levar pela opinião dos outros, eu não posso ficar ligando, para o qui as pessoas vão falar, achar ou pensar sobre mim, porque sempre vai ter alguém pra encher o saco, e si eu ficar ligando, eu nunca vou viver à minha vida , i eu nunca vou ser eu, com esse cabelo que eu TANTO AMO. Eu gostei muito o seu jeito, de ter reagido com a sua chefe, admirei o jeito de você não ter ligado pra opinião dela e admirei mais ainda você não ter mudado o seu cabelo por causa dela e do seu trabalho, gosteii muiito.
    Gosteii muuiiito do texto. Foi incrivel lê-lo e perceber que ainda existe tanto preconceito com o cabelo cacheado, mas principalmente que existe pessoas como você Manu, como eu e como tantas outas por ai que não sei deixam levar pela opinião dos outros e continuam si amando.

    http://blog-quemsoueu.blogspot.com.br/

    Responder
  3. Moema Baião

    Primeiramente quero dizer que adorei o post. Depois, precisamos de mais pessoas discutindo o assunto sem pudores, afinal se nós cacheadas e crespas tivermos medo da censura, tolhimento e etc não vamos avançar em nada.
    Eu passei por uma transição capilar que me fez rever todo o conceito de beleza que existia na minha mente e perceber que não precisava ir de 3 em 3 meses ao salão retocar raiz e fazer escova selante para me sentir bonita. Fato: nunca me senti tão bonita quanto agora, ainda que esteja com os cabelos curtos por causa de um big chop.

    O que percebi de mais interessante nisso é que a maioria do apoio que recebi durante a busca pelo cabelo natural foi masculino. Os homens elogiavam mais do que as mulheres e vejo que isso é o vestígio de que boa parte da encucação vem da ala feminina. Há uma cobrança maior da mulher em relação a beleza, em relação a si mesma.

    Por causa disso que fiz uma página no facebook a fim de divulgar a beleza do crespo e do cacheado. Os grupos do face me ajudaram muito na minha transição e quero ajudar outras pessoas também. Esse é o momento de mudarmos o jogo e conquistarmos o devido respeito.

    Responder
  4. Camila Picheco

    Acho que no Brasil a gente fica meio que condicionada à uma beleza artificial e cheia de nóinhas… eu era meio escrava da progressiva e quando me mudei pro Canada ficava fazendo escova e chapinha todo dia até pensei em ir em um salão pra fazer a escova progressiva mas de pouco em pouco fui deixando o cabelo natural, no começo ficava xingando, falando que ele era feio mas hoje to amando, aliás me sinto muito mais linda sem ir pra academia, sem progressiva e sem Zara… hehehe 🙂

    Responder
  5. Anna

    Eu sou a única cacheada no meu emprego e meio que as poucos vou deixando meu cabelo mais livre pra ir trabalhar. Noto como algumas pessoas olham, mas é o meu cabelo e eu tenho direito de usar ele como quiser 🙂 Mesmo no trabalho cabelo é cabelo e vou lutar por isso caso ocorra algum preconceito no futuro.

    Responder
  6. Tamires Cruz

    Adorei o post!!! Estou em transição pois cansei da ditadura da chapinha. Mas como vc disse é questão de aceitação.
    Tenho sobrinhas de cabelos lindos, cacheados e enrolados, mas que não se aceitam não apenas por não ter ninguem pra se inspirar nas revistas e televisão, mas porque o exemplo não vem de casa. É dificil aceitar ouvir que seu cabelo é bonito se quem te diz isso alisa o próprio cabelo! Chega a ser hipocrisia, o que eu não quero pra mim fica bom pra vc? As crianças não tem o discernimento que temos pra entender tamanha contradição dos adultos.
    Estou voltando as minhas origens, aceitando quem sou, tenho cabelo enrolado 3b/3c. Vou ficar um bom tempo até que ele esteja tão bom quanto realmente é. Mas será, finalmente quem sou.

    Bjo e passa lá no meu blog pra conhecer!
    http://cabelosunhasecia.blogspot.com/

    Responder
  7. Suelen Lima

    Parece que se você não tiver cabelos lisos, você não está na moda e não é aceito. As pessoas te olham torto e se acham melhores por terem os cabelos lisos nem que seja por química. Eu fiz química no meu, porque acho que fico melhor de cabelo liso para o meu formato de rosto pra mudar um pouco também. Me arrependi de ter alisado e estou deixando natural de novo. 🙂

    Responder
  8. Paloma Cassiano

    Compartilho da mesma opinião. Adorei o post!

    Responder
  9. Ribeiro Josane

    Como não amar esse texto escrito por você, Manu?! Ele diz tudo e sua atitude em relação a sua chefe preconceituosa foi o máximo!!!

    Responder
  10. Joice Caroline

    Adorei o seu texto! Também sou cacheada!!! Até uns 11 anos, quando eu mudei de colégio, nunca tinha tido problemas de aceitação com meu próprio cabelo, até que nessa nova escola comecei a ouvir piadinhas do tipo “Penteia esse cabelo”, “Cabelo duro”, não era uma coisa que me chateava, mas a partir disso, comecei a me olhar no espelho e não gostar do que eu via. Comecei usando chapinha e depois passei para as químicas, até meus 15 anos, que foi quando eu decidi parar com tudo e assumir o meu natural! Depois de 2 anos de transição, hoje estou muito feliz com meus cachos. Lá na minha escola, tem mais 3 ou 4 meninas além de mim com o cabelo cacheado apenas, quem criticava o meu “cabelo duro” antigamente, hoje em dia admira, o mundo da voltas!

    Responder