Sobre o (pre)conceito e essas coisas (pre)estabelecidas

Vez por outra eu escuto falar de um caso de preconceito, racismo, xenofobia… Aqui nos Estados Unidos nem se fala, mas ate parece que esta na moda no Brasil, porque sempre tem algo novo na mídia. É muito triste ler sobre isso, mas o pior é fazer parte desse tipo de pensamento. Eu mesma sempre achei que era uma pessoa sem preconceito, mas recentemente descobri que isso não é inteiramente verdade, mas resolvi escrevi esse texto pra me redimir.

Quem ler meu blog sabe que eu trabalho numa organização internacional, um lugar que tem muitas cabeças pensantes tentando fazer o mundo melhor. Aqui tem de tudo, igual a um circo, todo tipo de gente. Eu gosto de trabalhar aqui por que é um ambiente bem multicultural e às vezes ate democrático.  Bem, no meu setor conheci uma americana, branquinha, olhos claros, cachinhos nas pontas dos cabelos, ate parece àquelas bonecas de porcelana, que de tão delicada a gente tem medo de se aproximar que pensa que vai quebrar.  Pois é, ela também fala português, espanhol e francês fluentemente. Mais? Ela tem mestrado em Economia e esta planejando o doutorado pra 2012. Resumindo, uma pessoa especial.

Mas enfim, um dia almoçamos juntas e papo vai, papo vem, fiquei curiosa com o Português dela, que é perfeito. Então ela confessou que morou seis meses no Brasil há três anos, e que tem um namoradinho brasileiro. “Nada melhor do que namorar com um nativo, pra aprender uma nova língua”. Como boa curiosa, jornalista, perguntei sobre esse namoradinho. E então a verdade apareceu.  Ela comentou que conheceu ele num boteco no Brasil, na época do pré carnaval, ele era charmoso, bonitinho e muito simpático e começaram a sair ate que virou algo serio.  Nada super especial, ate que ela me disse que quando eles se conheceram ele era quase analfabeto, mas com incentivo dela ele voltou a estudar e agora aos 30 anos ele estava na terceira serie do primário (eu nem sei se vocês ainda chamam assim no Brasil). E ele trabalha como porteiro num prédio de gente rica. Mas enfim, eu fiquei chocada. Ela falou que amava ele, que eles se falavam todos os dias, que ela deu um computador pra ele pra poder usar skype e conversar online, que ela ia duas vezes por ano ao Brasil pra visitá-lo e que ela queria muito trazer ele pra ca, pra conhecer a vida dela, a família dela e quem sabe um dia ate casar com ele. Fiquei chocada ao quadrado. Passei dias, semanas, pensando nisso e arquitetando um plano pra convencer essa criatura inocente a repensar esse relacionamento, que esse rapaz só estava se aproveitando dela.  Não entendia, como é que uma moça tão prendada, com uma carreira tão brilhante conseguiu se envolver com um porteiro semi-analfabeto do Brasil.

Alguns meses depois, eu a encontrei no corredor. Diferente. Com uma aura mais bonita, os olhos brilhando, um vestido florido e um sorriso radiante. E ai perguntei o que tinha acontecido e ela comentou que o fulano de tal tinha chegado na noite anterior do Brasil pra passar 3 semanas de férias com ela. Que depois de duas tentativas sem sucesso, finalmente ele tinha conseguido o visto americano e que ela estava nas nuvens. Chamou-me pra conhecê-lo depois do trabalho, por que ele não falava nenhuma palavra em inglês e ela estava com medo que ele ficasse muito em choque com a nova cultura. Claro que eu fui encontrar com eles, por que eu tinha que ver com meus próprios olhos.

Isso foi ontem à noite, sai do trabalho pisando firme e com o coração trancado, pois eu estava aborrecida e tinha certeza absoluta que esse moço do Brasil estava se aproveitando dessa americana com cara de boneca.  Quando cheguei ao bar e sentei perto deles, só precisei de 5 minutos pra perceber  que eu estava completamente errada, que esse rapaz tem um coração sincero, e apesar de ser um Zé ninguém no Brasil é um dos caras mais legais e incríveis que eu conheci nos últimos tempos. Apesar do vocabulário simples dele, do jeito meio broco, ele me conquistou e não é a toa que essa gringuinha se apaixonou por ele, por que ele é um homem bom, verdadeiro e com um coração enorme.  Cheio de historia pra contar e com um passado emocionante. Ontem foi uma noite ótima, leve e que me fez repensar meu pré-conceito embutido. Talvez algumas de voces devem estar pensando que ela tenha capacidade de encontrar algo melhor, a altura dela. Mas sera? Eu conheco tanta gente que esta namorando, ou as vezes ate casada com mal caraters, mal caraters com diploma, mestrado, e as vezes ate doutorado em baixo do braco, mas com toda a educacao e estudo nao aprenderam a amar e a tratar uma mulher de verdade. Eu acho que ela tem sorte, que encontrou um homem bom de verdade (isso esta em extinção gente) e de certa forma, sobre outro ponto de vista, ele tem muita sorte também. Porque contos de fadas para homens, não acontece todos os dias.

Eu me enganei e me arrependo profundamente. Cheguei em casa e chorei horrores, parecia uma criança quando perde um brinquedo preferido. Lagrimas e lagrimas que não conseguiam parar, lagrimas de culpa, de remorso.  Eu percebi com tudo isso que la no meu intimo eu ainda tinha alguns sentimentos profundamente reprimidos de ressentimento e preconceito por que eu não percebia, mas com essa situação aprendi a reconhecê-los e agora sei que devo eliminá-los.

Lições que eu aprendi

Se você é preconceito, você está criando uma mentalidade homogênea que limita bastante a sua capacidade de aprender e aproveitar a vida.

Conhecimento, compreensão, tolerância e amor a todos podem trazer mudanças incríveis e positivas.

Uma vez que você começa a conhecer as pessoas que você tem preconceito, seu medo, raiva e ódio desaparecerão. Você pode até criar uma amizade que é reforçada por suas diferenças.

É mais fácil odiar do que amar. O amor exige coragem. O ódio é uma forma covarde de ficar para trás do que temos medo, sem ter que enfrentá-lo. E o medo é geralmente causado pela ignorância.

Deixe um comentário!

9 comentários

  1. andreia inoue

    que historia de amor linda,fiquei emocionada.
    E acho que vc nao deve se culpar por ter julgado o rapaz,o importante eh que vc foi conhece-lo e constatou que o cara é mesmo o CARA.
    Felicidade para o casal,que sejam muitoooo felizes.
    um abracao.

    Responder
  2. Patricia

    muito legal vc assumir o pré-conceito e mudar para melhor! Parabens!

    Responder
  3. Andrea Langevin

    “Vivendo e aprendendo” Linda historia!!!

    Responder
  4. Luciana Araújo

    Que história linda! E que linda vc, que teve coragem de dar o primeiro passo que é reconhecer que tem preconceito.
    Bjos!

    Responder
  5. Juh Pimentel

    Tinha um tempo que não vinha aqui… e como gosto de passear no seu blog, Manu! É relevante e faz diferença… não é só mais um blog de carinha bonita, rs!
    Sobre a história: linda e rara. Imagina um roteiro dela, que massa?! 🙂

    Responder
  6. Renata

    Manuuuu,
    adorei o texto!! e que lindo tudo isso. saiba q te adimiro muito por todas as coisas que vc escreve e pela pessoa que vc é! um super beijo e até o ano que vem.

    Responder
  7. Ana

    Eu acho engraçado as pessoas se preocuparem tanto com alguém que se apaixona por pessoas mais pobres. Mas achei bem bonito seu texto, só não se sinta culpada, todos temos algum preconceito enraizado, seja qual for. Eu conheci meu namorado há uns 4 anos, mas só começamos a namorar uns dois anos e meio depois. No começo, minha mãe perguntou porque eu queria namorar com ele, sendo que ele não tinha emprego na época e era mais pobre do que eu. Mas, eu nunca fui rica, ele só é um pouco mais simples e eu nunca achei que renda mensal fosse requisito de alguma coisa. Ele não tinha pretensões de fazer faculdade e na época e nem tinha como pagar a inscrição de um vestibular. O que eu fiz? Ajudei, paguei a inscrição dele e ele passou em um vestibular numa faculdade pública. É meu orgulho. Agora ele trabalha e eu só estudo. E sabe porque sou tão feliz? Eu nunca tive como sonho na minha vida ser rica. Ele terá uma profissão que não tem um mercado tão bom no brasil e eu serei professora talvez. Quero apenas ter o suficiente pra viver e tá ótimo. Ninguém precisa de tanto dinheiro sabe?

    Gostei muito de tema Manu!!

    Responder
  8. Tamie

    Oi! Eu acompanho você pelo google reader e não costumo comentar em blogs – não por descaso, mas muitas vezes por não saber o que falar. Mas esse teu post me trouxe até aqui só pra te dizer uma coisa: você é uma pessoa muito bonita. assim, por dentro, sabe? Sabe reconhecer quando errou (mesmo dentro da cabecinha) e se propõe a mudar e rever seus valores. Já te admiro ainda mais por isso.
    E já que vim te dizer isso, aproveito pra te desejar Feliz Natal atrasado e Feliz Ano Novo! Que em 2012 você conquiste ainda mais e conheça sempre pessoas assim, que te façam reavaliar o que pensa e o que sente, de forma positiva. Pessoas que nos mudam pra melhor <3

    Um beijo,
    Tamie

    Responder
  9. Até o desfecho do encontro, eu tinha o mesmo pensamento que você: Se aproveitou da mocinha e quer fazer a vida.
    Infelizmente, aqui no Brasil, ouvimos tantas histórias do gênero, que já nos preparamos negativamente para histórias assim.
    A cada dia mais, procuro julgar menos. Em 6 anos de trabalho direto com o público, já rompi muitas barreiras de preconceito, graças a Deus, mas sei que ainda tenho bastante a trilhar viu.
    Saber reconhecer nossos erros e mudar, é o melhor que fazemos e isso traz honra!

    Bjs
    Carla

    Responder