Eyyo!!! Do you know what I mean?

Imagem de gesture

Quando cheguei em DC, meu inglês não era lá essas coisas e o “the book on the table” que a gente aprende na escola não ajuda muita quando colocamos na prática. Ainda mais quando se mora em uma cidade internacional como Washington DC. Aqui encontro pessoas de todos os lugares do mundo, sutaques de todos os jeitos e cada um vai adaptando o inglês e criando novas expressões. Para aprimorar, fiz de tudo um pouco, assistia filmes com legendas em inglês, sempre que possível escutava rádio, lia jornais, revistas e sites em inglês e claro, entrei na escola de idiomas. Tinha aula intensiva de segunda a sexta, quatro horas por dia.  Pensa que é moleza? é nada! Mas todo sacrifício tem uma recompensa. Não sei os outros, não sei se é uma lei universal, mas pelo menos para mim, amadurecer num outro país é poder interagir, aprendendo a língua. Mas confesso que a melhor forma de aprender um idioma é namorando um nativo do local. Posso dizer que assim meu inglês ficou 100%, porque tenho um professor particular 24 horas 🙂

Mas foi no café Brasileiro que trabalhei, onde tive certeza de que a língua pode ser mutável e adaptável sempre. Nesse período comecei a ter contato com o “inglês abrasileirado”, ou será o “português inglesado”? Na verdade eu não sei, mas fiquei espantada quando alguém chegou pra mim e disse: “Eu tô busado aqui.” “Busado? Meu Deus, o que é isso?” “Busado” vêm da adptaçâo para o portugues da palavra em inglês busy = ocupado. Outra que nunca esqueço é “Estou parquiando meu carro”. O “parquiando” vem adaptação da palavra parking = estacionar . E daí você tira a criatividade dos brasileiros e pode imaginar as novas palavras que eu aprendi nesse meio tempo.

Todavia eu não sabia que o inglês americano, além de todas as adpaptações dos imigrantes e de todos os sutaques, é dividido. Para se entender melhor, vou relatar a primeira vez que andei de metrô e que foi inesquecível, pois um grupo de adolescentes negras pararam na minha frente, falando alto, com roupas super extravagantes e coloridas, brincos enormes e gesticulando muito. Acho que fiquei meio abestalhada observando e só caí na real quando uma delas se virou pra mim e disse bem alto: “Eyyo! What mother fucker tha dilly yo?”

Na hora não entendi nada e nem sabia se elas estavam falando inglês comigo ou qualquer outro idioma. Hoje eu sei que sim, que elas falaram inglês, mas o inglês usando pelos negros americanos. E se eu fosse traduzir o que elas disseram seria algo como: “hey, you? what do you want? what is going on? = Ei você, o que foi? O que você quer?

Essas gírias começaram a se tornar comum para mim, pois a maioria da população de DC são negros. Mas percebi que quanto mais eu estudava inglês, menos eu entendia eles. E não é a toa, porque o negro afro-americano desenvolveu uma linguagem própria que só eles se entendem e é chamado de “Ebonics”. Essa palavra vem da mistura de “ebony “(uma árvore que se convencionou usar para representar a raça afro-americana) e “phonics” (de fonética). Este dialeto foi criado por afro-americanos no Sul dos Estados Unidos, mas agora é conhecido no mundo todo devido à expansão das expressões, graças ao rap e hip-hop e dos filmes policiais de Hollywood. Alguns linguistas também preferem chamar de “African American Vernacular English”. E essa variação da lingua inglesa é um tema em discussão por aqui, porque se criou expressões como “White English” e “Black English” criando uma segregação nas pessoas pela forma de falar.

Atualmente existem alguns movimentos dentro das escolas, universidades, nos grupos sociais que querem preservar o “Ebonics” pois acreditam que faz parte da cultura negra americana, mas por outro lado, existem outras pessoas que acreditam que os negros necessitam falar o inglês correto. Mas o que é considerado o “inglês correto”? Quando o próprio inglês é composto por outros dialetos e vai se alterando a cada dia? Na minha opinião, o que vale nessa questão é o entidimento, é transmitir a informação, a idéia, pois a forma que as palavras são formadas ou o jeito que elas são faladas não deve ser o mais importante. “Do you know what I mean?” = Voce entende o que eu quero dizer?

Algumas palavras em Ebonics

Hello! How are you?Eyyo, wuz poppin? (Oi, tudo bem?)

Goodbye!Eyyo Peace out (Até logo!)

Friend homie (amigo)

MoreMo (mais)

ShoesKicks (sapatos)

Cena do filme “Airplane” onde dois passageiros falam em Ebonics

*Esse é uma re-publicação de um artigo meu que foi publicado em 2008.

Deixe um comentário!

8 comentários

  1. Soraya Brito

    Que post super informativo, adorei! Eu não sabia que havia essa diferença na linguagem, mais faz sentido. Até aqui no Brasil cada região tem gírias diferentes.

    Responder
  2. Jana

    Quando eu fui em NYC tambem percebi esse tal de Ebonics. Super interssante esse texto.
    Um beijo

    Responder
  3. Helena

    Puxa que interessante o topico …este final de semana estavamos meu marido, eu e mais um casal, em um restuarante Brasileiro aqui de Boston e a conversa chegou no ponto de como alguns Brasileiros aqui dao um jeitinho de “abrasileirar” as palavras em ingles que usam no dia a dia….
    A primeira vez que ouvi algo assim foi no salao de beleza (Brasileiro). cheguei la e perguntei se tinha horario. a moca vira para mim e diz:
    Sorry. Mas hoje eu to muito bisada (aqui em Boston eles dizem bisado) mas voce pode me ligar e marcar um apontamento.
    onde:
    bisado=busy=ocupado
    apontamento=appointment=horario
    E todo dia eu aprendo mais uma palavra…rsrs….outro dia ouvi a palavra vaquear. alguem ja ouviu falar na palavra?
    Vaquear=vaccum=passar o aspirador.

    E essa historia dos afro-american…eles nao tem papas na lingua mesmo…… procuro nem olhar para eles 🙂 ….ja ouvi cada historia…tenho duas amigas que foram quase (linchadas) por eles! kkkkkkkkkkkk

    Responder
  4. Carol Moraes

    hahah Me lembrei que há 9 anos atrás quando eu mudei pro EUA,recém formado no IBEU,um negão me parou no onibus olho pra mim e perguntou Whaaaaat is you nameeee……hahahah Lógico entendi buluafas…mas foi uma questão de tempo….Quando morava ai meu inglês era afinado ,fui morar na ALEMANHA aprendi alemão e o o meu inglês desafinouuu penncas…. LINGUA é prática sempre sempre…

    preciso nem falar adorei esse post….sou suspeita porque sou mega fã….Já falei vc deveria escrever um livro….talento tem de sobra

    bjss

    Responder
  5. Mirella

    Demaaiis!! Adorei o post!! ;D

    Responder
  6. Hanid

    Adorei o post. Adorei a criatividade dos brazucas.
    Bjs

    Responder
  7. Amanda Palhas!

    ótimo post!!
    Manu adoro visitar seu blog porque vc
    compartilha muitas coisas bacanas com a gente,
    Amo muito tdo isso!
    Bjos querida!

    Responder
  8. Emanuella Maria

    Obrigada pelos comentarios meninas. Eu tambem fico admirada com a criatividade dos brasileiros de tentar “abrasileirar” o inglês.

    Responder