wal mart viagra price

Sou Emanuella Maria (Manu), uma romântica inconsolável que adora coisas vintage e viajar. Há 7 anos moro na capital americana, Washington DC e neste espaço divido um pouco da vida no estrangeiro e o que me inspira no dia-a-dia. Falo das coisas que faço, do que gosto e o que me faz feliz.

Buscar no blog















24.05.2012

Falta menos de um mês pro meu aniversário e acho que depois que você passa dos trinta, pode oficialmente se chamar de adulta. Eu não gosto muito dessa palavra adulta até porque por trás dela tem o peso da responsabilidade, a conotação de maturidade e todas as expectativas que essa fase lhe impõe. Tem gente que envelhece mais cedo e com 20 já pensa e age como se tivesse 40 e tem gente que nunca envelhece e vive a vida toda a síndrome de Peter Pan. Na verdade, eu penso que o ideal é o equilíbrio do meio termo, mas nem sempre é fácil.

Essa foto acima ficava num muro em Fortaleza e ela teve um impacto muito grande nas minhas escolhas e nas minhas decisões. Todas as vezes que passava em frente a esse muro, ficava refletindo como seria viver a vida que eu realmente queria.

Não quero passar nessa vida apenas como um telespectador. Quero chegar aos meus 90 anos e dizer que faria tudo de novo e não me arrepender do que não fiz. Um dia parei de fazer essa pergunta e comecei a mudar as pequenas coisas na minha vida. Comecei a mudar o meu hoje. Olhei no meu guarda roupa e comecei a usar todas as roupas que estavam guardadas pra ocasiões especiais. Deixei meu cabelo natural e assumi os meus cachos, assumi minha identidade. Passei a sorrir e abrir meu coração para estranhos e ser mais sincera com as pessoas.  Peguei a graninha que tava guardando não sei pra quê, arrumei minhas malas e fui arriscar a vida no exterior.

Me doei de verdade a cada momento que vivi. Quando amei, amei profundamente. Quando sonhei, me deixei levar sem medo. Quando chorei, deixei rios de lágrimas descerem pelo meu rosto. Quando investi em algo, tentei ir até o final, mesmo que depois eu descobrisse que aquele não era o caminho certo, mas pelo menos eu tentei.

Recentemente eu fui jantar com um amigo e ele queria saber como estou, com todas as mudanças acontecendo. Conversamos por horas e no final quando nos despedimos, ele me abraçou e disse que eu era uma pessoa forte. Eu disse que não era tão forte como ele imaginava, mas aprendi que devemos deixar o passado no lugar dele e ficar se remoendo com coisas que passaram não ajuda a ninguém. Ficar pensando que a época mais feliz da minha vida foi ontem, não é verdade, porque a época mais feliz da minha vida é agora.  Quando as coisas não dão certo, devemos aprender com erros, com os tropeços. É clichê, mas é verdade. A felicidade não esta fora! A felicidade esta dentro, é agora.

E todos os dias ainda continuo fazendo essa mesma pergunta: “Como seria viver a vida que realmente quero?” 

 


Gostou? Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

20 Comentários

Categorias: comportamento |













20 Comentários em “Como seria viver a vida que realmente quero?”

Adriel Christian
24/05/2012 ás 15:23

Eu penso que muitas vezes se a vida da gente fosse como sonhamos nada seria mágica, não ia haver alegria e tudo ia ser monótono. Eu gosto da minha vida assim, tudo vem através de surpresas, às vezes essas surpresas são desagradáveis, mas quem disse que tudo seria um mar de rosas cheio de pétalas perfumadas? ;-)

Eu também admiro muito você, Manu, porque acompanho o seu blog (que deve ser um pedacinho de você) e sei que você sofreu muito por algo que não quis dizer (e às vezes é até bom guardar o sofrimento só pra gente…), mas hoje está aí firme e forte espalhando alegria.

Não queria saber como seria a vida que você sempre sonhou, talvez você possa se arrepender. E como você disse no texto, viva o agora, não espere o amanhã, e como dizia Shakespeare: “aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão…”

Bjs, força, fé e amor pra você!

=]

[Reply]


Karine Clessia
24/05/2012 ás 16:34

Eu já fiz planos pra minha vida. E um dos meus sonhos é sair o mundo afora, conhecer a Europa, Ásia e todo o continente americano. Acredito que os meus sonhos são os que me movem, por conta deles é que eu sai do lugar que eu sempre estive, digo mentalmente. Pulei da cama e digo: “não, isso não é um sonho, é uma realidade, mesmo que seja difícil, eu lutarei, porque é isso que eu quero pra minha vida”. As coisas não acontecem de um dia para outro.

Percebi isso quando eu comecei a lutar pelo meu sonho. Não, nada é fácil, ainda mais quando você quer algo, luta por ele, mas ele vem com muito suor. Algumas vezes você cai e sabe que a queda é forte, mas, no fundo, a sua vontade é tão grande de realizá-lo que tudo se torna pequeno demais.

Manu, sua história é linda, digo, você é muito corajosa sim, por ter lutado por essa vontade de morar em outro país. E eu já pensei nessa possibilidade, até comentei com você sobre isso, não sei se você lembra, mas eu decidi ficar no Brasil mesmo. Só que eu vou viver viajando, porque esse é meu maior sonho. Conhecer culturas novas, pessoas novas. EU AMO! *-*

Enfim, Manu, é isso. Espero que dê tudo certo pra você hoje e sempre. Você merece! Seus textos são os melhores. <3

Beijos
Karine Clessia
http://www.nosnagravata.com

[Reply]


Jo
24/05/2012 ás 17:42

Nossa manu, voçê sabe tocar a essência das pessoas, e confesso, não sei qual resposta cabe a essa pergunta. Eu acho que assim como voçê, eu preciso de um pouco de tempo para digerir tal questão, mas acho que mesmo assim será um bucado difícil.
Mas, eu sempre levo comigo estas palavras:

A vida é como um rio… quase sempre corre mansamente no seu leito. Uma vez ou outra, surgem os obstáculos, naturais ou atirados propositadamente para atravancar nosso caminho.
Às vezes o ideal é contornar, como fazem as águas do rio, porém, na vida, nem sempre isso é aconselhável..
Em momentos, o obstáculo pede que o ultrapasse, que o vença, e não se deve fugir nem contornar, sob pena de transbordar e não ter como voltar atrás.
É preciso sabedoria, paciência e perseverança, para retornarmos à mansidão do leito.
Com amor, pelo mundo, pela vida, e principalmente por nós mesmos… é sempre mais fácil…
Reflito sempre com estas palavras que são de uma escritora brasileira, da qual admiro o jeito peculiar da visão da vida. (Tere Penhabe)
E esse seu espaçinho é magico, adoro ler aos seus pensamentos, opniões. Eles acrecentam muito em minha vida S2

Te admiro Manu, e sei que vc é forte e guerreira, adoro sua história de vida ( li ao blog trocentas vezes, até o ínicio de tudo).

Beijos e muita força e determinação nessa sua nova caminhada.

[Reply]


Manu Sampaio
24/05/2012 ás 18:00

Eu só quero me orgulhar de tudo o que fiz mesmo que no fundo sentisse vergonha e me censurassem.

[Reply]


Marcelle Cristina
24/05/2012 ás 20:13

Nossa, parece que esse texto foi escrito pra mim… Estou passando por um momento difícil, cheio de indecisões e questionamentos. Tenho pensado muito ultimamente em como seguir minha vida, o que fazer, como quero estar daqui a alguns anos, a que pé anda meu relacionamento de 3 anos recém completos…
Me arrependo de muta coisa que fiz e, mais ainda, de coisas que não fiz e isso não é nada bom…
Tá vendo que tô em crise, né… rsrs
Ai ai, adorei o texto. Me fez pensar…
Bjão

[Reply]


Rapha e Bibi
24/05/2012 ás 23:00

Oi Manu,tudo bem?

Já faz algum tempo que eu frequento o seu site. Apesar disso, é a primeira vez que eu comento. Em primeiro lugar devo dizer que o seu texto é muito bom, profundo, genuíno. Eu estou passando por um momento muito ruim de minha vida, então algumas coisas que a gente lê nos toca fundo e provocam em nós a reflexão e o impulso de mudança. O seu texto me valeu, obrigada.
Moro em Natal/RN, mas nasci em Fortaleza e vivi por lá meu primeiro aninho de vida. Desejo a você tudo de bom na vida que você escolhe viver todos os dias, você é inteligente, os seus cachos são lindos e eu espero fique bem diante das suas intempéries.

Parabéns pela personalidade natural. Isso faz toda a diferença hoje em dia.

Rapha.

[Reply]


Thais Oliveira
25/05/2012 ás 06:46

Realmente estava precisando ler um texto assim. Ultimamente tenho vivido muito de passado, pensando no quanto minha vida era legal no ano que passou e o quanto está sendo parada agora. Temos que colher tudo de bom daquilo que passou mas, jamais esquecermos que já se foi e temos que estar abertas para coisas novas!
Parabéns Manu por esse lindo trabalho. Por deixar confortável as pessoas que entram aqui no seu blog e melhorar um pouquinho o dia de cada leitor (a)!
Você com certeza merece tudo de bom <3
Beijos!

[Reply]


Renata
25/05/2012 ás 08:38

Lindo post Manu!!!
Acredito que essa pergunta todos deveriam se fazer e realmente procurar viver da maneira que sempre sonhou.

Bjs.

[Reply]


Joyce
25/05/2012 ás 08:44

Bonito texto! Essa frase é um questionamento aristotélico? imagino que sim. Não do autor em si, mas do que a sua teoria nos proporciona pensar.

Aprendi que devemos viver a nossa vida do jeito que nos faz feliz a pouco tempo. Estou quase nos 30, mas aprendi. rs… É tão bom ser verdadeira consigo mesmo né? Parece que tiramos um peso das costas. A minha mãe diz que isso é amadurecer! que bom que somos seres que temos a capacidade de aprender!

bjo

[Reply]


Maraysa Carvalho
25/05/2012 ás 12:46

Sensacional esse escrito, Manu! Sabe, eu também tenho dias em que até pareço madura (acho que ainda preciso ter mais experiência de vida para me considerar de fato uma pessoa “adulta”), e isso de dar valor ao hoje é fantástico, realmente faz bem. Quando eu paro de ficar guardando aquela roupa especial e resolvo me arrumar para ir à faculdade, geralmente fico mais confiante para falar em público e até meu caminhar parece mais firme. Sempre é bom acordar com uma vibe de que podemos ser melhores do que ontem.

Parabéns Manu, vc me inspira! Um dia quero ser como vc. ;)

[Reply]


Yasmin
26/05/2012 ás 10:08

Manu, esse post foi muito oportuno para eu te dizer uma coisa que já vem acontecendo a certo tempo. Há algum tempo eu estava com grandes problemas de aceitação, auto-estima, tudo que eu fazia era direcionado a outras pessoas… Até que um dia, vagando no youtube achei aquele seu vídeo onde você fala de auto-estima, depois disso, conheci seu blog e a pessoa que sou hoje é muito grata a você por tudo que vc fez e faz! Comecei a levar em conta as coisas que EU acho que importam, a opinião dos outros eu ainda considero (confesso) mas não tanto quanto antes, meu cabelo liso de escova definitiva está voltando a ser cacheado… Depois de analisar tudo isso eu vejo o tempo que perdi tentando agradar os outros e o qual esqueci de mim, mas agora a história é outra! Ainda sonho em casar e ter filhos, mas isso só depois que eu fizer todas as viagens e cursos que desejo! =D
Ainda não estou 100% (talvez nunca estarei) mas estou em busca disso!
enfim… Manu, acho que não só pra mim, mas pra muitas pessoas vc é um exemplo, só pedimos que não pare com seus vídeos e posts aqui no blog ( a nação manuzete ficaria desgarrada! )
2 beijinhos nas bochechas e abraços brasileiros para vc!
Yasmin, 19 anos, Aracaju – SE

[Reply]


Mariane
26/05/2012 ás 19:11

Viver a vida que realmente queremos não é facil, mas não é impossivel. E você, Manu é prova viva disso. Eu me sentiria tão orgulhosa de mim mesma por ter vencido barreiras e conseguido viver o que tanto sonhava.
Ainda vivo sonhando, mas com a vontade de realizar e conquistar. Eu sei, sinto que ainda vou viver o que quero. Com determinação eu sei que chego lá, e todos nós podemos chegar.
Parabéns por ter se tornado uma pessoa tão forte diante de problemas e conseguir ainda passar um conforto e uma palavra amiga em seu blog. Você, o seu blog são uma inspiração pra mim. Obrigada.

[Reply]


Dani
27/05/2012 ás 09:01

Precisava mto ler isso, obrigada! Bjos

[Reply]


BA MORETTI
28/05/2012 ás 05:06

É bem por aí. Até porque, como diria Mário Quintana, a idade de ser feliz é agora.

[Reply]


taclaro.com.br
28/05/2012 ás 14:10

Oi Emanuella!
Me chamo Ariane, leio seu blog e acabo nunca comentando.. mas esse post foi especial, me identifiquei muito com o que tu escreveu pois passei pelo mesmo processo de “crise existencial”.. Pra quê deixar as coisas pra depois se só temos o agora? Eu tenho essa vida pra fazer o que realmente me toca e não ficar fazendo o que os outros julgam ser o melhor ou o quê a sociedade diz há tempos como as coisas devem ser.. Enfim, carpe diem :)
Beijos, Ariane.

[Reply]


Isabella Rueda
28/05/2012 ás 16:02

Oi Ana,
realmente seria maravilhoso não?
Estou muito feliz porque você esta se recuperando e vivendo melhor.

Dá uma passadinha no meu blog?
conto lá a história da minha vida,tenho 19 anos,mas sinto como se tivesse 30,pois foram muitos problemas e eu tive que crescer do dia p noite.

Adoro o seu blog Ana.

Um Bjo.

[Reply]


Luana Luz
29/05/2012 ás 09:36

Penso nisso todo dia. E quando não sei o que é preciso fazer m determinada situação vou deixando rolar e vivendo uma dia de cada vez. Não adianta ficar sofrendo por algo que você não fez ou não conseguiu. Você está certíssima! O momento é sempre o agora!
beijos

[Reply]


Marcelle Cristina
29/05/2012 ás 23:02

Como eu havia dito anteriormente, seu texto me fez pensar…
Seu post me inspirou a escrever no meu blog, fiz um link da sua postagem lá.

Se puder, dá uma olhada…

Bjks

http://nanarj86.blogspot.com.br/2012/05/chega.html

[Reply]


Alessandra Koch
04/06/2012 ás 17:16

Manu, que grande tu eres. Te admiro muitissimo. Só podia ser mulher para ter esta força e perspectiva da vida como tem. Impressionante como me identifico com tua maneira de escrever. Siga com esta determinação que tudo sempre dá certo. Um abração.

[Reply]


Ana Laura Franzolin
14/08/2012 ás 14:31

Acho que todos nós já pensamos isso, mas no fundo, nos vivemos a vida que queremos, pois quando estamos em uma situação que não suportamos, sempre abrimos espaço para mudanças. Muitas pessoas dizem que “não tem escolhas”, mas se você não faz nada, você escolheu isso, e se você escolheu, escolheu porque quis.
É claro que a vida de todos poderia ser melhor, mas sem nenhum desafio, qual seria a graça de viver?

[Reply]