Como é voltar pra casa depois de morar fora do país?

il_fullxfull.469345232_qqm9Morar no exterior é uma aventura e tanto, mas muitas pessoas me perguntam como é voltar? E como me sinto morando fora do país? Como muitos de nós já sabemos e experimentamos, viver em outro país vai mudar você para sempre. Você nunca mais será o mesmo e não vai ver as coisas da mesma forma novamente.

A primeira vez que eu experimentei o que os especialistas chamam de síndrome do regresso  ou “reverse culture shock”, foi quando voltei ao Brasil depois de um período morando em Berlin, na Alemanha. Minha cidade natal, que antes tinha me dado uma sensação de conforto e bem-estar, ao retornar, parecia sufocante e atrasada. Eu tinha aquela sensação de que faltava alguma coisa, mas eu não tinha ideia do que poderia ser. Até que finalmente aceitei a realidade de que minha cidade natal não me fazia sentir do mesmo jeito que eu sentia antes. Foi meio que selei o meu destino no momento em que embarquei naquele avião pra Europa no ano anterior.

Eu não acho que não há realmente nenhuma maneira de descrever esse sentimento para aqueles que ainda não experimentaram por si próprios. É um pouco como uma queda livre. É como se estivéssemos flutuando sem rumo em águas agitadas.

Quando eu estava fazendo meu mestrado, estudei uma cadeira sobre migração e li mais a fundo sobre a síndrome do regresso. Esse desamparo que bate na gente quando regressamos depois de morar fora, que muitos chamam de frescura e esnobismo. Mas na verdade, essa síndrome existe e é real. Esse sentimento de não pertencer mais ao lugar de origem, de não se encaixar. Segundo o psiquiatra Décio Nakagawa, que estudou a síndrome por 15 anos, uma pessoa leva em média seis meses para se adaptar a uma cultura nova, e dois anos para se readaptar ao próprio país.

maps

O que é exatamente isso que nos faz sentir desse jeito? Será que o grau de diferença entre o nosso país de origem e o país de destino determina o grau que a mudança irá nos causar?

O fato é que o expatriado percebe que as coisas não são como tinha idealizado. Isso, somado à mudança que aconteceu lá fora, provoca um choque. Bem, mas não é de se desesperar, pois eventualmente, você vai se sentir em casa de novo no nosso país de origem, e os vestígios do “choque” lentamente vão se desgastar. Isso aconteceu comigo mais uma vez, quando em 2010 morei 4 meses no Equador e depois regressei aos Estados Unidos. Alguma coisa mudou novamente e levei algum tempo pra aceitar minha realidade.

Embora seja verdade que os sentimentos iniciais de estranheza diminuam com o tempo, ainda assim você vai sentir que alguma coisa nunca mais será a mesma. E aí que vem o dilema: ou você aceita a situação e se conforma, ou você vai enfrentar a atração constante para voltar, um puxão para voltar para qualquer lugar, contanto que não seja a sua cidade natal. Foi o que aconteceu comigo na primeira vez. Fortaleza não era mais meu lar, minha casa. Não ia dar certo voltar pra Alemanha, então eu me mudei pros Estados Unidos.  E hoje em dia morando há 6 anos nos Estados Unidos, DC é o lugar que eu chamo de casa. Mas eu confesso que muitas vezes me sinto como se eu estivesse vivendo em uma espécie de realidade suspensa, nunca aqui e nunca lá, inquieta.

Mas eu confesso que é incrível a possibilidade de ter passado algum tempo em outro país, vivendo outra cultura, e saber que mesmo com sua diversidade, você pode se tornar parte dessa nova cultura. Quando moramos fora nossa atenção aos detalhes é agravada e fazemos um esforço para compreender e se ajustar até que nos tornamos um só com o nosso novo local. O que eu vi, senti, ouvi, provei e cheirei em cada um dos lugares que eu vivi me fez quem eu sou hoje. Eu nunca vou querer voltar os relógios para que eu possa voltar para a pessoa que eu era antes de pôr os pés no primeiro avião. Em vez disso, o que eu quero mais do que tudo é ter meus elementos favoritos de cada país que estive aqui comigo. Quero de alguma forma, torcer todos juntos em uma colcha de retalhos, para usá-lo no dia a dia, para me trazer um tipo de conforto multicultural de minha própria autoria.

Para mim, o que eu perdi em conforto da cidade natal, eu ganhei na familiaridade internacional. Assim, a última pergunta que eu me faço não é mais se eu nunca vou ter a sensação completa de casa de novo, aquela sensação de saber que eu pertenço a um lugar acima de todos os outros. Agora, eu me pergunto como eu posso sentir em casa onde estou neste momento, neste lugar, com estas experiências de agora, e tentar a cada momento encontrar meu caminho de volta para minha verdadeira casa.

Deixe um comentário!

26 comentários

  1. Carol

    Concordo plenamente. Moro ha 3 anos fora e mesmo que ache um monte de defeitos aqui na Italia, sinto esse desconforto quanto volto pro Rio! Estranho, mas vc me fez entender melhor… 🙂

    Responder
  2. Giane

    Muito bonito seu texto, me emocionei! Também vivi e vivo a “reverse culture shock”. Nos anos 90 morei três anos em Paris e quando voltei pra casa nao mais me senti em casa. Tive depressao e tudo o que queria era voltar para Paris. Os amigos tinham suas vidas, suas prioridades as quais a gente nao se encaixa mais quando volta tao diferente… Depois de alguns meses trabalhando, voltei a me adaptar ao ritmo da cidade maravilhosa. Fiquei 7 anos no Brasil e em 2000 vim para a Alemanha – novamente tudo do zero: nova cultura, nova lingua , novos amigos. Me sinto em casa aqui. Mas as vezes quando o inverno é muito longo e frio, me pego falando do Brasil como “em casa”…sinto muitas saudades do meu país, dos meus amigos, da familia. Mas a dificuldade de readaptacao continua – depois de 15 dias de férias, sinto falta da minha casa, dos meus amigos na Alemanha. É tudo muito contraditório! Termino com uma frase de Edgar Reitz:Heimat ist immer etwas Verlorenes, eine Sehnsucht, die sich nie erfüllen läßt.
    Um grande abraco e um excelente domingo,
    Giane

    Responder
  3. Gisley Scott

    Interessante seu ponto de vista. Gostei como vc finalizou esse post dizendo que poder abraçar tantas indentidades de diferentes países fez de vc uma pessoa mais “em casa” aonde vc foi. Hoje eu vivo uma fase da minha vida que estranho muitos comportamentos presentes na nossa cultura, rs!!! É engraçado mas isso acontece mesmo. O bom é aproveitar o melhor de cada oportunidade e alargar os nossos horizontes culturais.

    Responder
  4. Mara

    Li uma matéria sobre a síndrome do Regresso no blog da Folha de SP. Eu nunca saí do Brasil, mas moro no nordeste e, durante 4 meses, fiquei morando no sul do país. Isso foi o suficiente para eu entender esse sentimento. Quando voltei, também tive a impressão de não mais encontrar o mesmo lugar. As coisas pareciam atrasadas (Santa Catarina é nossa Europa!), eu sentia falta do friozinho… Mas agora que me readaptei, posso dizer que só o tempo mesmo para acalmar nossas agonias. Quisera eu ter tanta experiência de vida quanto você, Manu! Adoro seus posts (sempre falo isso, né?! rs). Beijos!

    Responder
  5. Carlos Almeida

    'Mas eu confesso que muitas vezes me sinto como se eu estivesse vivendo em uma espécie de realidade suspensa, nunca aqui e nunca lá'

    Responder
  6. "Eu não acho que não há realmente nenhuma maneira de descrever esse sentimento para aqueles que ainda não experimentaram por si próprios. É um pouco como uma queda livre. É como se estivéssemos flutuando sem rumo em águas agitadas." Disse tudo.

    Responder
  7. Cinthia Lira

    Excelente !

    Responder
  8. Magda Salin

    Exatamente!

    Responder
  9. Everton Silva

    Excelente texto
    No fim das contas casa é onde se esta bem…
    Não importa onde for …

    Responder
  10. Mari Ana

    "Esse desamparo que bate na gente quando regressamos depois de morar fora, que muitos chamam de frescura e esnobismo. Mas na verdade, essa síndrome existe e é real. Esse sentimento de não pertencer mais ao lugar de origem, de não se encaixar."

    Responder
  11. Larissa Arçari

    Disse tudo! Como é difícil readaptar a cidade natal..

    Responder
  12. Janice Bomtempo

    Eu morei 15 anos fora do meu pais trabalhei muito de faxineira sem direitos trabalhitas nem um deixei de viver muitos momentos da minha vida por estar morando fora,tenho 4anos que voltei para o Brasil tenho uma vida financeira rasuavel ,só agora vejo tudo de bom que meu pais tinha me oferecido se eu tive ficado nao me arrependo de voltar mais sim de ter partido um dia estou muito feliz no meu pais Brasil,o que me encomoda e as criticas que tantos como eu que já sofreram em outros países fazem ao nosso pais. Eu acredito em um Brasil melhor!!!!

    Responder
  13. Comigo aconteceu completamente ao contrario ,depois de 7 anos fora a unica coisa q eu quería era voltar p minha cidade,,acho q essa síndrome do regresso só acontece se o país onde vc foi viver é melhor do q o Brasil ,no meu caso acho q Florianópolis ganha de muitos países por aí…

    Responder
  14. Bruna Fernandes

    "Segundo o psiquiatra Décio Nakagawa, que estudou a síndrome por 15 anos, uma pessoa leva em média seis meses para se adaptar a uma cultura nova, e dois anos para se readaptar ao próprio país." OMG

    Responder
  15. Fernanda Bitencourt

    vc viveu 7 anos onde?

    Responder
  16. Santiago , Chile .

    Responder
  17. O texto fala de algo real que se passa nao com todas (como se ve comentado aqui) mas com muitas e muitas pessoas. No meu caso, quanto ao lugar ser 'melhor' ou 'pior'… eu ja' vivi em lugares fora do Brasil, algumas vezes em condicoes um tanto desafiadoras, mas em todos os lugares que vivi, nao houve um que eu nao tenha aprendido a amar. Lac,os de amizade se formam, apego as particularidades do lugar tambem. No regresso, o sentimento de perda SEMPRE me acompanha, aliado SEMPRE ao da imensa alegria de estar de volta. Sao as duas coisas juntas. E esse sentimento e' revivido 'as avessas quando da minha volta ao exterior. O texto fala da minha exata experiencia. (y) 🙂 Excelente.

    Responder
  18. Viviani

    Olá eu moro, aqui na Espanha a 18 anos e esta materia me ajudou muito, porque dia 14 setembro regresso ao Brasil e tenho muitas dúvidas, em questao de adaptaçao. Tambem conheci outros valores, mas como comentou nossa companheira Janice, se esta vivendo em boas condiçoes, nunca pensa em voltar. Agora aqui na Espanha a crisis afetou a classe mas baixa, nao tem trabalho, os proprios jovens espanholes estao imigrando em busca de uma oportunidade em outros paises, Quero tentar e tenho medo, mas sei que tudo vai dar certo, porque estou invocando para este regresso. Gracias!

    Responder
  19. Jr

    Não é assim com todo mundo. Já estou há quase 4 anos fora e quando vou pra casa (minha cidade) passsear, da vontade chutar o balde e ficar.. Mas a razão acaba vencendo e vou embora triste..

    Responder
  20. Nilson Bueno

    Moro ha 8 anos na Suíça e cada vêz que volto para o Brasil me sinto um peixe fora d’agua. Eu realmente tenho esse medo de voltar e não conseguir me readaptar. Tenho um amigo que voltou de Singapura para o Brasil e me disse que sua readaptação estava sendo muito desgastante, tanto que ele voltou para Singapura!

    Responder
  21. Leandro Alm

    Nossa, estou chegando aí então! O pr0blema é o frio né? As casas têm aquecedor?

    Responder
  22. Leandro Alm se vc for pra Santiago vai ver o que é inverno rsrs, se for p o sul o frio é extremo. Se usa estufas a gás se a casa tiver gás encanado, se não usa estufa a parafina.Boa Sorte!

    Responder
  23. Alexandra Froument

    Que texto maravilhoso! Conseguiu interpretar de tantas maneiras o que venho sentido depois de voltar para casa. Seu blog é maravilhoso. <3

    Responder
  24. Tarik Baja

    Capaz aqui tá muito perigoso

    Responder
  25. Fabi

    Obrigada por esse texto!
    Super me ajudou a entender o que sinto. Ainda nao voltei pra ‘casa’, mas sempre que volto pra visitar nao sinto que pertenço, mas tambem aqui nao eh casa…

    Responder
  26. Kaka

    Moro há quase 1 ano na Califórnia, e sempre que vou para o Brasil passar férias a minha vontade é de ficar… Quanta saudade 🙁

    Responder