Comer, Rezar e Amar

Durante a minha viagem para o Equador eu li o livro da Elizabeth Gilbert, Comer, Rezar e Amar e adorei (bem, na sua maioria). Eu consegui me conectar a com Liz, sentir a sua dor, sua alegria, a sua fé, o fato dela está insatisfeita com a vida e sair em busca de algo (foi bem assim que me senti antes de sair do País) e finalmente, o amor dela.

Aqui nos Estados Unidos o filme já estreou e eu esperei até a noite passada para vê a adaptação para o cinema do livro. Fui assistir com grandes expectativas. Eu gosto da Julia Roberts e quando ouvi que ela tinha sido escalada para interpretar a Liz, eu pensei que era o “casting” perfeito. Mas quando assisti o filme, as gargalhadas, o sorriso, o choro, o olhar era muito Julia Roberts no filme e eu não consegui vê  a Elizabeth Gilbert, lá.  Tudo o que podia vê era cada personagem que a Julia Roberts já interpretou. Eles são todos tão semelhantes – ou que é um sinal de que Julia é uma boa atriz, ou como eu suspeitava anteriormente, ela não é uma atriz muito boa em tudo. O personagem foi profundo e interessante, mas a Julia não soube retratar esse filme muito bem. Uma pena!!

A primeira meia hora de filme é dolorosa de assistir. A cena central do piso do banheiro, por exemplo, que é uma parte importante do livro se tornou um momento rápido, totalmente desinteressante. Também faltou o humor. Durante o filme eu ri um punhado de vezes, enquanto lia o livro eu me lembro de rir muito e me pegar várias vezes com aquele sorriso abobalhado na cara. Bem, na minha opinião a honestidade brutal e anedotas divertidas que Gilbert  teve no livro foram diluídas no filme.

Julia realmente não se conecta com nenhum dos personagens. De seu primeiro marido, interpretado por Billy Crudup e nem ao seu rolo e aos amigos que ela encontra ao longo de sua viagem – eu apenas senti as relações eram bem superficiais.

O filme não foi ruim, mas definitivamente não era bom.Para mim um dos pontos altos do filme é quando ela vai a Bali e se depara com um certo “universo brasileiro” e eu reconheci músicas da bebel gilberto  e do joao Gilberto, e claro o jeito Brasileiro de ser que o Javier Bardem, que por sinal ele retratou muito bem.

Agora se fomos pensar em senso de estilo, a Julia Roberts representou bem a típica loura Americana, de classe media alta, que se veste sem graça e é totalmente apagada.

Linha de fundo? Se você não leu o livro, você pode gostar dele mais do que eu. Não é um filme ruim, não é apenas um ótimo filme.

Deixe um comentário!

2 comentários

  1. Jana

    Oi manu, tava com saudade disso aqui. Que bom q vc voltou a postar, adoro seu blog e Seus texts. To doida para ver Esse filme. Beijos

    Responder
  2. Graziele Pacheco

    eu tenho esse livro a séculos e nunca li! Tenho vários livros que comprei e não li! Pela simples falta de tempo, =/!
    mas estou louca para ver o filme, e ler o livro!
    bjo bjo

    @grazielepacheco

    Responder