wal mart viagra price

Sou Emanuella Maria (Manu), uma romântica inconsolável que adora coisas vintage e viajar. Há 7 anos moro na capital americana, Washington DC e neste espaço divido um pouco da vida no estrangeiro e o que me inspira no dia-a-dia. Falo das coisas que faço, do que gosto e o que me faz feliz.

Buscar no blog















Arquivo da seção: comportamento

18.10.2014

AME A VOCE MESMO AV copy

Ontem tive uma noite de cão. Não quero entrar em detalhes porque não gosto de alimentar os sentimentos negativos, mas ontem estava muito triste. Aqueles problemas que só adulto tem e muitas vezes não faz sentido pra ninguém só para você.

Fui dormir as 2:00h da manhã porque estava extremamente cansada de chorar. E acordei ás 10:00h da manhã com a cara inchada e amassada da noite mal dormida. Minha vontade era passar o dia de pijama, me afundar no sofá e comer uma pizza gigante. Por alguns minutos meu sábado estava perdido. Até que entrei no Facebook e vi a seguinte frase:

Amar é viver. Viver no amor com você mesmo.

E isso me fez refletir nas minhas escolhas. Naquele momento eu tinha duas escolhas. (i) Me afundar na tristeza e na solidão. (ii) Abraçar meu dia, me amar e viver o momento que ainda estava por vir.

Resolvi escolher a opção ii.

Antes de mais nada resolvi fazer uma meditação. Acho que todo mundo tem que ter um canto especial que gosta de ficar sozinha. Um lugar  onde você pode fechar os seus olhos e consegue refletir, e chorar, e meditar, e rezar. Pois é, fui no meu cantinho, fechei meus olhos e esperei que o sentimento bom invadisse meu coração. Não foi fácil, porque estava triste, e muitas vezes o sentimento negativo embassa todos os outros. Mas fiquei lá firme e forte, esperando. Passaram alguns minutos, não lembro ao certo, mas fiquei lá até a minha mente se alcamar e comecei a ser inundada por uma paz e um amor incondicional por mim mesma. Lembrei o quanto sou especial e todas as coisas positivas que tenho na minha vida.

Daí todo o meu dia mudou. Tomei um banho de banheira, fui ao Yoga, almocei no meu restaurante favorito, comprei uma flores pra colocar no meu quarto e agora, assim que terminar esse post, vou para um show da Courtney Barnnet com uma amiga.

Quero esclarecer uma coisa. Para amar a si mesmo, para homenagear você, como você faria com qualquer outra pessoa que ama, tem que ter auto-respeito e paciência, mesmo nos momento mais difíceis. Para se apaixonar por “você” não tem nada haver com a promoção do ego, vaidade ou arrogância.

Amar a si mesmo requer a apreciação da mente, corpo e espírito.

E a frase mais clichê é verdadeira de todas: “ame a si mesmo, em seguida, os outros vão te amar”.  Ame sua mente, as suas notáveis ​​realizações e os fracassos que o ajudam a crescer. Ame seu corpo, a beleza e as falhas que te faz assim. Ame sua alma, a felicidade entusiasmada e a liberação esplêndida de tristeza.

Abrace sua mente, corpo e alma dentro de dois braços. Dance quando você sentir vontade de dançar. Chore quando você sentir vontade de chorar. Expresse o amor que você sente dentro de si para ajudar o amor-próprio dos outros prevalecer – e, embora possa ser a viagem mais aterrorizante, aceitar-se como você é, na sua totalidade, vai fazer os outros te amar, em todas as suas diferenças, em todos suas formas e tamanhos… vai ser tão natural quanto respirar.

Sim. Compra-se flores. Abrace-se mentalmente em um abraço. Ria nos momentos que mais precise de outro. Viaje de férias sozinha, nem que seja uma viagem de um dia. Saia para dançar. Sente em um café durante todo o dia e escreva seus pensamentos, suas ideias, seus sonhos e planos.

E hoje eu lembrei mais uma vez que o amor próprio é a completa aceitação de si mesmo. Para saber quem você é, de onde você veio, e todos os lugares que você ainda tem que ir… O amor é o primeiro passo.


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

4 Comentários




 
Veja também:








 

14.10.2014

Numa sociedade onde ser a melhor ou a perfeita é quase um requerimento, fica mais fácil se sentir insegura e ansiosa.  E quando você é uma pessoa insegura isso reflete negativamente em várias áreas da sua vida: com suas amizades, seus relacionamentos, sua autoestima e até mesmo no seu ambiente de trabalho.

Eu costumava passar uma enorme quantidade de tempo me preocupando com a opinião das outras pessoas. Se elas gostavam de mim. Ou o que as pessoas pensavam de mim. Ou o que elas achavam da roupa que eu estava usando. Ou se o meu cabelo era adequado.

E levei muito tempo para perceber duas coisas:

1- A maioria das pessoas não estão nem aí pra nós. (Eles estão muito preocupados com o que as outras pessoas pensam deles).

2- Dos poucos que estão nos observando, ou nos julgando, geralmente são pessoas que não nos rodeiam e que não fazem nenhuma diferença na nossa vida.

Faz sentido, certo?

Mas por que será que nos importamos tanto com o que as pessoas pensam?

Eu acho que, em termos simples, isso esta construído na nossa natureza humana. Somos criaturas sociais, por isso queremos ser sociáveis; e pensamos que, a fim de ser sociável, todo mundo tem que gostar de nós. Mas isso não é verdade.

Quem tem que gostar de você é você mesma.

O nosso pior inimigo é a nossa própria mente e quando repetimos a mesma coisa pra nos mesmos, acabamos acreditando nela. E depois as outras pessoas também acabam acreditando nisso. Os nossos pensamentos se tornam realidade.

Sei o quanto a insegurança e ansiedade afetam muita gente e por isso reuni no meu vídeo minhas dicas secretas para combater a insegurança.   Não deixe de assistir:

Mas resumindo , o melhor tratamento para insegurança é o autoconhecimento e auto estima.  Por isso lembre-se:

// Não foque na sua insegurança, mude o pensamento e faça algo que  gosta.

// Tenha um amuleto que te coloque pra cima

// Olhe-se no espelho. Pense em algo bom sobre você

// Uma pessoa confidente não é a pessoa mais popular da festa, ela é alguém que se sente bem com ela mesma e não precisa da admiração ou a aceitação dos outros.

// Não se compare com as outras pessoas e nem se coloque pra baixo.

//Se você tem um namorado/ marido, não seja insegura no relacionamento. Se ele está com você foi porque te escolheu.

// Lembre que no mundo tem milhões de pessoas igual a você passando pela mesma situação.

// Aceite o que você não pode mudar e seja feliz.

Espero que vocês gostaram do post. Não deixem de deixar a sua opnião sobre o assunto e como vocês lidam com a insegurança na sua vida. Além disso ajude me a compartilhar essa mensagem, divida o link com seus amigos.

 


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

5 Comentários




 
Veja também:








 

28.09.2014

VOCê sabe o que vocêquer da sua vida-

“Se você não sabe o que você quer, a vida te dá qualquer coisa”.

Eu não sei de quem é essa frase, mas eu lembro muito bem quando escutei pela primeira vez. Estava almoçando com meu pai e na época tinha muitas dúvidas se deveria ou não largar a área de turismo para começar jornalismo. Tinha medo de largar uma área promissora, onde eu já tinha trabalho e experiência por um possível sonho de adolescente. “E se não der certo?” “E se eu não for boa jornalista?” “E se eu não fizer dinheiro?” Eram tantas dúvidas e tantos medos, e como boa geminiana eu não sabia o que eu queria.

Mas depois que ele me disse essa frase, fui dormir com um nó na garganta e no outro dia dei o passo definitivo que mudou a minha vida. E essa frase sempre me acompanhou em todas as minhas decisões. Virou um mantra que levo comigo e tento aplicar em todas as áreas: na minha vida pessoal, na minha vida profissional, nos meus relacionamentos, no meu dia a dia.

Bem, refleti um pouco mais sobre isso com um vídeo curtinho. Muita gente pediu e resolvi voltar com meu canal do Youtube:

video você sabe o que você quer da sua vida?

E essa pequena lição que meu pai me deu, me abriu outras possibilidades, pois hoje já não me contento com qualquer coisa. Pois eu sei onde quero chegar ou o que estou buscando.

E você, sabe o que quer da sua vida?

Foto por hckyso


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

13 Comentários

Categorias: comportamento | Tags:



 
Veja também:








 

15.09.2014

Essa semana postei um questionário do blog pra conhecer minhas leitoras e também poder direcionar melhor os posts do Ambiente Vistoriado. Pra minha surpresa, em menos de 5 dias, mais de 200 pessoas responderam o questionário e cada vez que leio as respostas, um sorriso enorme se abre. É muita gentileza minha gente.

Bem, no meio de tantas perguntas, deixei um espaço pra que você possa me fazer uma pergunta sobre qualquer coisa que tenha curiosidade. Pra algumas pessoas respondi por email e pra outras vou responder em um post, pois acredito outras pessoas tem a mesma dúvida ou curiosidade.  A partir de hoje, vou postar toda segunda-feira, no Manu Responde.

Quando mudei para os Estados Unidos não foi fácil, principalmente porque minha família não me apoiou completamente. Eu tinha uma situação estável no Brasil, um emprego que pagava bem, já morava sozinha e isso me dava um status de independência. Mas mesmo assim, eu não estava feliz e queria uma mudança na minha vida. Então pedi demissão no trabalho, apliquei para um visto de estudante e mudei pra cá com com a cara e a coragem sem saber direito o que estava fazendo.

Quando mudei para os Washington DC também não foi fácil, meu inglês não era muito bom, eu tinha vergonha de falar e com isso me limitava para fazer novas amizades. Além disso eu sentia uma saudade enorme dos meus amigos e da minha família no Brasil e muitas vezes me sentia sozinha. Fora que a grana era curta, pois tinha que pagar escola, aluguel, comida, e o dinheiro que tinha juntando no Brasil era limitado. Mas dentro de mim, mesmo com todos esses ajustes, eu sabia que estava fazendo a coisa certa.

Então resolvi me dedicar ao inglês, estudava 5 horas por dia numa escola intensiva e me forcei a falar mais com estranhos e perder a timidez. Além disso, ouvia rádio e assistia filmes em inglês legendados em inglês.

Eu já fiz um vídeo falando dos altos e baixos de morar nos Estados Unidos. Inclusive o vídeo já passou de mais de 70 mil visitas. Quem não assistiu e tem curiosidade é só clicar AQUI. Mas como comentei no vídeo

VIVER NUM PAÍS ESTRANGEIRO NÃO É FÁCIL, VOCÊ VAI SEMPRE SE SENTIR “DIFERENTE”, MAS CABE APENAS A VOCÊ QUEBRAR ESSAS BARREIRAS E BUSCAR USUFRUIR O MÁXIMO QUE ESSA EXPERIÊNCIA PODE LHE OFERECER

Hoje em dia, tudo se encaixou. Já moro em Washington DC há 7 anos. Consegui não só terminar meu cursinho de inglês, mas depois fiz meu mestrado em Relações Internacionais em uma das melhores universidades Americana e recentemente, comecei uma especialização na área de coaching. Trabalho com Comunicação e jornalismo para uma Organização Internacional, e uso inglês todos os dias no meu trabalho e na minha vida pessoal. Além disso, aprendi Espanhol e já vou começar a estudar Francês. Os amigos vinheram com o tempo, a família, eu converso toda semana pelo Skype e quando posso vou visitá-los no Brasil.

A vida é como abrir uma porta que você não sabe o que há atrás dela. E mudar de país pra mim, foi assim. Você nunca pode saber onde você vai acabar. Você não sabe o efeito que essa mudança terá sobre sua vida. Mas essa é a coisa fantástica e assustadora sobre a vida – não há garantias.

Gostou? >> Leia o Manu Responde #1 – Eu não sei o que fazer da minha vida.

divisor

Tem uma pergunta ou dúvida? Entra em contato


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

7 Comentários

Categorias: comportamento | Tags: ,



 
Veja também:








 

29.08.2014

relacionamento eh uma obra em andamento _reflexao

Certa vez, eu li em algum lugar que um filósofo definira uma palavra para expressar algo que está além até mesmo do belo. Não consigo lembrar dessa palavra agora.

Esses dias mesmo pensei naquilo que há entre duas pessoas – relacionamento, como uma obra.

Como algo que se esculpe ao longo do tempo. Algo em andamento e que, mesmo em andamento e mesmo nunca acabada, é bela.

Algo que se esculpe, mas não exatamente como uma escultura. Não se retira, não se adiciona nada. Os elementos se somam, se dividem, subtraem e multiplicam em uma matemática mais orgânica, mais parecida com o pão de casa ou com as plantas que temos na varanda.

Mais como se fosse água. Mais como se a vida se remodelasse de acordo com o recipiente. E um recipiente tão fluido como o seu próprio conteúdo, no entanto.

É um lance meio confuso, pensar nessa obra e refletir sobre ela. Porque de certo modo quando admiro o outro, no outro, admiro-me. Confuso né?  É contraditório, mas muitos poetas já tentaram explicar o quanto é contraditório tudo isso. Assim é porque abarca tudo, todos os argumentos. Os prós e os contras. Está acima deles.

Cada relacionamento é bem diferente. Mas quem pode dizer que a obra de um relacionamento é melhor do que a outro, ou que a receita para a felicidade de um casal é exatamente o que é necessário para todos? Enquanto estamos gratos por os conceitos que aprendemos por aí, uma das coisas mais importantes que aprendemos não é copiar a obra de outra pessoa. Por isso dessa vez resolvi não escrever sobre a formula, a lição, o porquê, ou isso ou aquilo. Só precisamos ter em conta que nossos relacionamentos com o próximo são obras sempre em andamentos e só cabe a nos dar continuidade ou não.

Ahh e acabei de lembrar da palavra do filosofo:

Sublime!


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

6 Comentários

Categorias: comportamento | Tags:



 
Veja também: