wal mart viagra price

Sou Emanuella Maria (Manu), uma romântica inconsolável que adora coisas vintage e viajar. Há 7 anos moro na capital americana, Washington DC e neste espaço divido um pouco da vida no estrangeiro e o que me inspira no dia-a-dia. Falo das coisas que faço, do que gosto e o que me faz feliz.

Buscar no blog











Arquivo da seção: comportamento

15.09.2014

Essa semana postei um questionário do blog pra conhecer minhas leitoras e também poder direcionar melhor os posts do Ambiente Vistoriado. Pra minha surpresa, em menos de 5 dias, mais de 200 pessoas responderam o questionário e cada vez que leio as respostas, um sorriso enorme se abre. É muita gentileza minha gente.

Bem, no meio de tantas perguntas, deixei um espaço pra que você possa me fazer uma pergunta sobre qualquer coisa que tenha curiosidade. Pra algumas pessoas respondi por email e pra outras vou responder em um post, pois acredito outras pessoas tem a mesma dúvida ou curiosidade.  A partir de hoje, vou postar toda segunda-feira, no Manu Responde.

Quando mudei para os Estados Unidos não foi fácil, principalmente porque minha família não me apoiou completamente. Eu tinha uma situação estável no Brasil, um emprego que pagava bem, já morava sozinha e isso me dava um status de independência. Mas mesmo assim, eu não estava feliz e queria uma mudança na minha vida. Então pedi demissão no trabalho, apliquei para um visto de estudante e mudei pra cá com com a cara e a coragem sem saber direito o que estava fazendo.

Quando mudei para os Washington DC também não foi fácil, meu inglês não era muito bom, eu tinha vergonha de falar e com isso me limitava para fazer novas amizades. Além disso eu sentia uma saudade enorme dos meus amigos e da minha família no Brasil e muitas vezes me sentia sozinha. Fora que a grana era curta, pois tinha que pagar escola, aluguel, comida, e o dinheiro que tinha juntando no Brasil era limitado. Mas dentro de mim, mesmo com todos esses ajustes, eu sabia que estava fazendo a coisa certa.

Então resolvi me dedicar ao inglês, estudava 5 horas por dia numa escola intensiva e me forcei a falar mais com estranhos e perder a timidez. Além disso, ouvia rádio e assistia filmes em inglês legendados em inglês.

Eu já fiz um vídeo falando dos altos e baixos de morar nos Estados Unidos. Inclusive o vídeo já passou de mais de 70 mil visitas. Quem não assistiu e tem curiosidade é só clicar AQUI. Mas como comentei no vídeo

VIVER NUM PAÍS ESTRANGEIRO NÃO É FÁCIL, VOCÊ VAI SEMPRE SE SENTIR “DIFERENTE”, MAS CABE APENAS A VOCÊ QUEBRAR ESSAS BARREIRAS E BUSCAR USUFRUIR O MÁXIMO QUE ESSA EXPERIÊNCIA PODE LHE OFERECER

Hoje em dia, tudo se encaixou. Já moro em Washington DC há 7 anos. Consegui não só terminar meu cursinho de inglês, mas depois fiz meu mestrado em Relações Internacionais em uma das melhores universidades Americana e recentemente, comecei uma especialização na área de coaching. Trabalho com Comunicação e jornalismo para uma Organização Internacional, e uso inglês todos os dias no meu trabalho e na minha vida pessoal. Além disso, aprendi Espanhol e já vou começar a estudar Francês. Os amigos vinheram com o tempo, a família, eu converso toda semana pelo Skype e quando posso vou visitá-los no Brasil.

A vida é como abrir uma porta que você não sabe o que há atrás dela. E mudar de país pra mim, foi assim. Você nunca pode saber onde você vai acabar. Você não sabe o efeito que essa mudança terá sobre sua vida. Mas essa é a coisa fantástica e assustadora sobre a vida – não há garantias.

Gostou? >> Leia o Manu Responde #1 – Eu não sei o que fazer da minha vida.

divisor

Tem uma pergunta ou dúvida? Entra em contato


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

7 Comentários

Categorias: comportamento | Tags: ,



 
Veja também:








 

29.08.2014

relacionamento eh uma obra em andamento _reflexao

Certa vez, eu li em algum lugar que um filósofo definira uma palavra para expressar algo que está além até mesmo do belo. Não consigo lembrar dessa palavra agora.

Esses dias mesmo pensei naquilo que há entre duas pessoas – relacionamento, como uma obra.

Como algo que se esculpe ao longo do tempo. Algo em andamento e que, mesmo em andamento e mesmo nunca acabada, é bela.

Algo que se esculpe, mas não exatamente como uma escultura. Não se retira, não se adiciona nada. Os elementos se somam, se dividem, subtraem e multiplicam em uma matemática mais orgânica, mais parecida com o pão de casa ou com as plantas que temos na varanda.

Mais como se fosse água. Mais como se a vida se remodelasse de acordo com o recipiente. E um recipiente tão fluido como o seu próprio conteúdo, no entanto.

É um lance meio confuso, pensar nessa obra e refletir sobre ela. Porque de certo modo quando admiro o outro, no outro, admiro-me. Confuso né?  É contraditório, mas muitos poetas já tentaram explicar o quanto é contraditório tudo isso. Assim é porque abarca tudo, todos os argumentos. Os prós e os contras. Está acima deles.

Cada relacionamento é bem diferente. Mas quem pode dizer que a obra de um relacionamento é melhor do que a outro, ou que a receita para a felicidade de um casal é exatamente o que é necessário para todos? Enquanto estamos gratos por os conceitos que aprendemos por aí, uma das coisas mais importantes que aprendemos não é copiar a obra de outra pessoa. Por isso dessa vez resolvi não escrever sobre a formula, a lição, o porquê, ou isso ou aquilo. Só precisamos ter em conta que nossos relacionamentos com o próximo são obras sempre em andamentos e só cabe a nos dar continuidade ou não.

Ahh e acabei de lembrar da palavra do filosofo:

Sublime!


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

5 Comentários

Categorias: comportamento | Tags:



 
Veja também:








 

21.08.2014

Guest post escrito por Tatiana Barros

Borboleta na mão 600X600

“O segredo é não correr atrás das borboletas… é cuidar do jardim para que elas venham até você”. – Mario Quintana

Foi cuidando do meu jardim que descobri o blog da Manu e foi dentro dele que eu encontrei um pouco da minha historia e isso me fez bem. Hoje eu divido um pouco da minha vida com vocês na esperança de ajudar pessoas que atravessam essa estrada.

Eu fui casada durante 12 anos e eu me separei em 2012.

Nós nos conhecemos jovens, tínhamos sonhos e planos, casamos e viemos morar na França. No começo a adaptação foi difícil mas com o tempo a vida tomou seu rumo. Conseguimos construir uma vida confortável, do ponto de vista material. Tínhamos um bom emprego, ganhávamos bem e a vida era uma festa, pelo menos para ele, para mim ela era solidão.

Éramos um casal que conversava sobre todos os assuntos, menos a nosso respeito. Eu me lembro que no nosso aniversario de 10 anos de casamento eu pensei : eu não faço a menor ideia do que ele quer dessa relação. Logico que isso me deixava triste, durante anos eu questionei a falta de planos sem ouvir uma reposta, e também por isso não tivemos filhos.

Quando eu pedi o divorcio ele mudou, tentou melhorar a relação, mas para mim o amor havia acabado e quando isso acontece devemos partir.

Posso dizer que foi a coisa mais dolorosa que já fiz nos meus 38 anos de vida. Eu deixei tudo para trás: emprego, casa, marido e todos os pertences. Eu só trouxe roupas e livros comigo. Eu voltei a estudar para melhorar meu diploma e conseguir um novo emprego, numa nova cidade. Hoje eu vivo com uma bolsa de estudos e posso afirmar que o dinheiro é contadinho.

Não vou dizer que foi fácil pois não foi. Eu chorei todos os dias do primeiro ano de separação e no segundo ano, eu só estudei e dormi, tudo isso para não pensar na minha tristeza. Eu ainda choro às vezes, mas eu sei que tomei a boa decisão.

Eu também tenho consciência dos meus erros, eu sei que eles também contribuíram para o término do meu casamento. O erro não foi só dele pelo seu silencio, a minha atitude face ao silencio dele também foi errada.

Eu penso sempre no meu casamento, tentando buscar as minhas falhas, às vezes eu consigo me conscientizar de algumas, mas esse exercício é muito difícil. Porém de tudo isso eu tirei os seguintes ensinamentos :

Se posicionar e dar limite as pessoas:

Eu tenho um defeito péssimo, eu não limito a ação das pessoas que impactam a minha vida de maneira ruim. Isso me prejudica muito. Buscando não magoar ninguém eu acabo por me magoar. Daqui para frente eu pretendo ser sincera, sem ferir ninguém, e sinalizar quando um comportamento não me convém e me afastar, se for o caso.

Não ter medo:

Eu fui criada para ter medo. Meu pai era autoritário conosco, nada violento, mas sempre temi as suas reações. Minha mãe criou o mito do medo em relação às reações do meu pai, então imaginem, eu tinha medo de tudo! Meu ex-marido também cultivava o medo. Eu descobri que o medo é o nosso pior inimigo, podemos fazer o que queremos, basta organização e determinação.

Acreditar, pois a felicidade existe:

As vezes escuto pessoas dizendo que isso é tolice, que a felicidade não existe. Eu tenho certeza que ela existe e que ela mora dentro de nós. Precisamos somente acordá-la e isso começa quando escutamos aquela vozinha que conversa com a gente, sabe?

Eu não sei o que vai acontecer daqui para frente, estou reconstruindo tudo, até os amigos, pois perdi todos nessa caminhada. Hoje eu tenho preocupações que não tinha quando era casada, mas o que eu ganhei sendo sincera comigo vale muito mais do que essas preocupações. Hoje a minha felicidade depende de mim e das minhas escolhas e poder fazê-las sem culpa é pura magia!

divisorEsse post é uma contribuição e faz parte da nova TAG Corrente do Bem. Se você também quiser participar e dividir sua história entre em contato.


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

10 Comentários

Categorias: comportamento | Tags:



 
Veja também:








 

29.06.2014

Recentemente recebi um email de uma leitora aqui do blog pedindo meu conselho sobre o que fazer da vida dela & como ela poderia chegar a vida que ela queria. Resolvi responder publicamente seu email, porque lembro que anos atrás já estive na mesma situação que ela e não tinha ninguém pra me orientar e aconselhar. Na época, eu não tinha certeza se estava indo pro caminho certo ou o que eu queria fazer da minha vida e isso me agoniava profundamente.

Bem, eu não sou psicóloga e não tenho nenhuma formação nessa área, mas meus posts consegue tocar no coração de algumas pessoas e vez por outra recebo esse tipo de email. Então porque não dá minha opinião?

eu não sei o que fazer da minha vida

PERGUNTA:

“Como você decide o que você quer fazer com sua vida? Pode ser uma pergunta boba, mas atualmente estou lutando com isso”. (MB)

RESPOSTA:

Querida MB, essa é uma pergunta tão grande, e você poderia facilmente passar sua vida inteira tentando responder. Na verdade, muitas pessoas ficam presas a idéia de tentar encontrar um propósito na vida, ao invés de simplesmente viver a vida e aproveitá-la.

Eu acredito que você nunca vai encontrar o seu propósito de vida se você não está aproveitando ou preenchendo sua vida com amor. É muito comum pensar que nosso propósito será algo grandioso e inovador, mas pode não ser. Talvez a razão de você estar aqui é ser um amigo maravilhoso, talvez seja de se expressar através da dança, da música e talvez seja para inspirar  os outros. Você não tem que curar o câncer , ou viajar o mundo todo pra viver uma vida rica e gratificante.

Uma das coisas que eu aprendi na vida é que a gente não descobre o nosso propósito de vida. O nosso propósito é que nos encontra. Quando estamos fazendo coisas que nós gostamos, que nos inspira e que nos fazem feliz é quando encontramos um direção e uma orientação do que estamos destinados a fazer.

Por exemplo meu namorado sempre adorou música. Ele toca guitarra e instrumentos de corda desde os 5 anos. Mas ele cresceu numa família onde todo mundo é médico e era o que todo mundo esperava que ele fosse também. No halloween ele se fantasiava de médico, tinha um kit de laboratório pra brincar e ele mesmo acreditava que seria um médico um dia. Mas sabe o que aconteceu? Quando chegou na época de escolher que universidade ele queria entrar, ele mudou os planos de última hora e sem ninguém saber aplicou pra universidade de música. Quando foi aceito, foi um choque na família e até a avó disse: “O que você vai fazer com uma faculdade de música?” Pois bem, hoje ele é formado em jazz e da aula de música para uma escola de música clássica. Tem estudantes de 5 a 70 anos. Uma média de 10 estudantes por dia. Seu horário é completamente lotado e tem uma lista de espera de pessoas esperando uma vaga pra ser estudante dele. Ele adora o que faz e eu não consigo vê-lo fazendo outra coisa. Todo dia é uma festa no seu trabalho. Cada aluno pra ele é especial, tem uma história linda pra contar e o inspira a compôr novas músicas e descobrir outros estilos. Ele pode não ser rico, mas ele é feliz.

Antes de chegar aqui me formei em turismo e trabalhei na área por três anos. Tive que largar o trabalho e recomeçar uma faculdade pra investir na minha paixão por escrever. Tive que mudar de país e começar um blog pra saber que amo inspirar as pessoas e ajudar os outros a transformar a vida num ambiente mais bonito.

Acredite que o que vai vir pra você é exatamente o que precisa ser. Acredite que as experiências na sua vida vão te liderar para o seu caminho. E tudo vai dar certo

“Magica é acreditar em si mesmo, se você pode fazer isso, você pode fazer qualquer coisa acontecer.”- Johann Wolfgang von Goethe

Fiquem `a vontade para dividir nos comentários seu propósito de vida ou o que te inspira e te faz feliz!


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

14 Comentários




 
Veja também:








 

04.06.2014

como auto aceitacao pode mudar a sua vidaEu sempre fui diferente. Eu costumava me sentir inadequada por isso, mas hoje em dia eu me sinto especial.

Em algumas áreas nós somos como todo mundo, mas em outras áreas somos diferentes. E quando somos ou fazemos algo que é contra a maré, pode ser considerado estranho e até disfuncional.

Eu costumava me sentir como uma pessoa anormal, porque eu não gostava de dançar quando cresci na cidade do forró e no país do samba. Vez ou outra me sentia como uma aberração quando dizia que não bebo café e não gosto de chocolate. Ficava insegura quando algumas pessoas me perguntam por que não alisava o cabelo pra baixar o volume. E durante anos, eu pensei que tinha algo errado comigo porque eu não me encaixava na cidade onde eu cresci.

Alguma vez você já se sentiu assim?

Por experiência própria posso confirmar que esse sentimento que há algo errado com você é o pior sentimento do mundo. A vergonha, a insegurança, as dúvidas constantes e a dor que vem junto com isso é horrível. Sentir-se como um estranho, porque não é igual a todo mundo, é um fardo quase impossível de levar.

Mas então algo mudou.

Para mim, a mudança aconteceu quando eu comecei a escrever. Quando me atrevi a ser completamente cem por cento assumidamente mim, eu experimentei ser aceita no exterior por algo que veio de interior. Eu aprendi que ser diferente não significa estar errado, que ser diferente é ser especial. E isso me ajudou a me aceitar e aceitar minhas diferenças.

Lutar contra quem você é não é fácil. É como tentar subir numa escada rolante quando ela está descendo. Por outro lado, abraçar o seu verdadeiro eu com todas as suas diferenças e singularidades é se auto descobrir, como o florescer de algo novo. Tudo fica melhor quando você abraça quem você é. Em vez de combater e nadar contra a corrente, você está em fluxo com quem você é.

Me aceitar, abriu novas possibilidades na vida, me ajudou a encontrar amigos com os mesmos interesses e me engrenou em nova carreira que estava conectada com meu desejo de escrever e me expôr nos textos, virei jornalista.  Aceitar a minha identidade, de onde eu vim, minhas raízes, me deu uma linda juba cacheado que tenho orgulho de ter e até já escrevi num post anterior, o que aprendi quando eu aceitei meu cabelo cacheado. O fato de não me encaixar na minha cidade natal, me deu uma sede de descoberta e vim me encontrar aqui há milhares de quilômetros.

Você não precisa ser igual a ninguém para ser feliz. Então vai algumas dicas que posso passar pra vocês desse processo de autoaceitação:

# Diminua suas expectativas de perfeição. A nota da felicidade está mais próxima de 7 do que de 10.

# Combata os pensamentos negativos e autodestrutivos. Em vez de olhar somente os erros e defeitos, mude o foco para os acertos e qualidades positivas.

# Reconheça seus limites. Se perceber que está infeliz com algo que pode mudar, então comece hoje. Se é algo que você não pode mudar, apenas aceite. Será um problema a menos em sua vida.

# Aprenda com os erros, em vez de se martirizar. Errar faz parte do processo de aprendizagem.

# Busque sempre coisas novas para fazer. Isso proporcionará a descoberta de novos talentos e fará com que se orgulhe de suas novas habilidades.

# Ajude outras pessoas, sempre que possível. Sentir-se útil faz muito bem à autoestima.

# Orgulhe-se de suas opiniões e ideias e não tenha medo de expressá-las, mesmo que nem todos concordem.

# Busque amigos. A maioria das pessoas está interessada em fazer novas amizades, tome a iniciativa e não espere que os outros venham até você.

# Sorria, seja gentil com os outros, peça apoio, fale sobre você, seja sincera. Isso ajudará a atrair as pessoas que realmente gostam de você.

# Seja confortável com quem você realmente é por dentro é o que conta. Uma vez que você aprenda a se aceitar, qualquer coisa em cima é apenas um molho.

 

E para você, o que te faz diferente, e por que você ama isso? Deixe um comentário abaixo!

Leia mais:

Dicas para amar a si mesmo

Amar a si mesmo – O primeiro mandamento pra ser feliz

 


Compartilhe:

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Pinterest

6 Comentários




 
Veja também: