A arte de perder e saber aceitar

como saber superar uma perda

Recentemente eu li o poema da Elizabeth Bishop, A Arte de Perder, onde ela diz que arte de perder não é nenhum mistério por muito que pareça. Eu acho que eu sou a rainha em perder as coisas, até penso que no meu quarto tem um buraco negro onde tudo desaparece. Dia desse perdi meu brinco preferido, já perdi dinheiro, maquiagem e até um livro. Tudo no meu quarto e nunca mais achei. Sempre foi assim, desde criança. Um dia em perdi a minha boneca preferida e chorei por dias e acho que depois dessa perda aprendi a aceitar. De lá pra cá, houve outras perdas, muitas bobagens, nada que fizesse muita falta, mas também tive perdas bem maiores, familiares que se foram, perdi amores e afetos importantes e mais recentemente eu perdi meu trabalho.  Na verdade, meu contrato acabou e o orçamento não foi renovado, então na época depois do susto, fiquei três meses a procura de um novo trabalho. Foi meio estranho esse período, principalmente porque eu não queria qualquer coisa.  Mas hoje já tenho um novo trabalho e tudo está no ritmo certo.

Claro que saber lidar com a perda – todo tipo de perda – é uma tarefa difícil para qualquer pessoa, em qualquer situação ou idade. O sofrimento é único, e cada pessoa precisa respeitar seu ritmo pessoal e seu próprio tempo, sem expectativa para conseguir fechar o ciclo da perda. Não existe um botão para acionar e interromper um sentimento.

Mas acreditar que a vida deveria ser diferente, não envolvendo escolhas dolorosas, sofrimentos e perdas são irreais e só traz revolta, o que só prejudica. Tornando nossas expectativas quanto a nós mesmos, aos outros e à vida mais realistas, fica mais difícil nos frustrarmos e mais fácil nos adaptarmos.

Ninguém passa por situações que não mereça, por puro acaso; nem enfrenta uma carga maior do que a que tenha capacidade para carregar.

Saber que não vivemos num mundo desorganizado e que existem leis universais, “nada acontece por acaso”;  tudo tem uma razão de ser justa e produtiva, nos leva a encarar os acontecimentos (com relação a nós e aos outros envolvidos), mesmo os mais difíceis, como oportunidades de aprendizagem e crescimento.

E eu aprendi com todas essas perdas saber aceitar. Aprendi que não devo perder a fé e que perder não é o problema, pois sempre há algo sobressalente. Claro que recentemente com a perda do trabalho perdi também um pouco o ritmo aqui no blog e agora que estou voltando aos poucos. Então fui escrevendo menos e menos e a inspiração estava meio de lado.  Mas aí alguém uma vez me falou: “Manu como você consegue ficar tão calma sabendo que está sem trabalho? E consegue sair pra happy hour, ir pra academia? Se fosse eu, estaria desesperada.” Mesmo aconteceu quando me separei do meu ex-marido. Alguém disse que eu era forte e não sabia como eu conseguia.

Mas uma coisa que me ajudou bastante nesses momentos, foi que em vez de ficar amofinada em casa, ou lamentando o problema, resolvi criar metas de felicidade diária. Que de certo modo afetaram meu dia de uma forma positiva. Então escrevi no meu caderno essas pequenas metas diárias, como por exemplo – ir ao yoga, comprar flores pra casa, limpar o banheiro com minha música preferida, fazer uma corrida de 5K, pintar as unhas de uma cor alegre, ir ao salão dá uma geral no cabelo, andar de bicicleta… São coisas simples, mas me ajudavam a ter um tempo pra mim e pra absorver melhor minha perda de uma forma positiva. Durante esse tempo, claro que eu tinha que sentar online e aplicar pra milhares de emprego, mas eu também saia no domingo a tarde pra dar a volta num parque, comprava uma planta bonita pra minha casa, tomava um banho de espuma com velas e assistia minha TV show favorita com um copo de vinho. Chorar? Claro, sou ser humano. Mas ter essas pequenas metas de felicidade diária, me ajudaram aceitar a perda com calma e apreciar e desfrutar minha vida quando nada pode ser mudado. 

E vocês, sabem lidar com a perda?

Google

Deixe um comentário!

19 comentários

  1. Lisete Escórcio

    Adorei!!Comungo do mesmo pensamento/entendimento: que nada acontece por acaso e que dias melhores virão!!! Há que estar atenta e receptiva!!:)

    Responder
  2. Lara Amado Almeida

    Vou traçar metas diárias 😉

    Responder
  3. Patricia Cordeiro

    Lindo texto,amei…Também tenho minhas felicidades diárias mesmo sem grandes perdas,mas crendo que o aprendizado da vida é mais leve com doses de felicidades.

    Responder
  4. Yara Sousa

    Que bonito! Eu acredito que ainda tenho que aprender a lidar com perdas, já tive crises de pânico só de pensar em perder minha dog =/
    Beijo da terrinha.

    Responder
  5. Lena

    Manu, acho demais a força que se tem em superar. Eu tenho problemas em superar perdas e de vez em quando elas me assombram, tipo angústia de ficar sem vontade de fazer nada.

    Outro dia resolvi que sempre eu sair sozinha vou procurar a gentileza nas pessoas. Tenho tido bons resultados, e são ações simples como ajudar alguém a se levantar por que caiu, dar uma informação, acompanhar a pessoa até o ponto de ônibus. Na maioria são idosos que são os mais gentis e abertos a essa troca.
    Chego em casa renovada e com sentimento de dever cumprido. Foi um hábito que peguei pra mim, para melhorar meu dia e esquecer as mazelas.

    Beijinhos e adorei demais o post, aliás eu venho sempre aqui olhar mas dificilmente comento, hoje me senti no dever!

    Responder
  6. Maria Claudia Pottier Monteiro

    Legal Manu,gostei!

    Responder
  7. Paloma Sernaiotto

    Sou uma pessoa desapegada de perdas, na verdade eu já sou desapegada de expectativas. Mas confesso que de vez em quando eu apego, nesses casos, guardo uma mágoa comigo que eu não consigo me desfazer. São coisas que eu sempre me culpo, sempre lamento e não sei se um dia conseguirei desapegar. Mas, no geral, sei dar a volta por cima e recomeçar, talvez por já ter recomeçado – e muito – nessa vida. HEHE adorei o texto!

    Responder
  8. Camila Lacerda

    Maravilhoso esse texto, inspirador e encorajador.. Conhecendo seu blog hoje e amando 🙂
    Parabéns..

    http://www.chadecalmila.com

    Responder
  9. Vanguedes

    Eu adoraria conseguir viver esse desapego. Eu não consigo me ver como vencedor, em nada. Qualquer filme, qualquer menção, qualquer texto (inclusive esse) me bota mais pra baixo, aí eu luto, tento, me levanto, e logo na frente caio de novo.
    Vou tentar criar esses pequenos objetivos. Hoje tive uma boa conquista. Consegui voltar pra minha casa (uma longa história) e essa semana vou me dedicar a deixar ela como eu gostaria que estivesse.
    Obrigado por este texto e por compartilhar das suas maneiras de se sentir vitoriosa. Espero que me ajudem.

    Beijo e tudo de bom.

    Responder
  10. Yasmin Meyer

    Que texto lindo pra começar minha segunda-feira ♥

    Responder
  11. Suelen Lima

    Ameei ..

    Responder